Comissário europeu renuncia após ir a evento com aglomeração

Durante a estadia na Irlanda, em agosto, Hogan também se deslocou por condados confinados e compareceu a um jantar com 80 pessoas

Phil Hogan compareceu a um jantar com 80 pessoas durante as férias na Irlanda

Phil Hogan compareceu a um jantar com 80 pessoas durante as férias na Irlanda

OLIVIER HOSLET/Archivo/EPA/ EFE/ 26.08.2020

O comissário europeu de Comércio, Phil Hogan, renunciou ao cargo nesta quarta-feira (26), após a polêmica gerada por ter comparecido neste mês a um jantar em um clube de golfe que não cumpria os protocolos de saúde contra a covid-19.

"Apresentei nesta noite minha renúncia como comissário europeu de Comércio à presidente (da Comissão Europeia), Ursula von der Leyen", informou o irlandês em comunicado.

Hogan comentou que "estava cada vez mais claro" que a repercussão negativa sobre a recente visita à Irlanda "estava se tornando uma distração no cargo como comissário e minaria o trabalho dos próximos meses".

O político lamentou "profundamente" que as férias na Irlanda tenham causado "tamanha preocupação e mal-estar" e voltou a insistir que sempre tentou "cumprir todas as regulações relevantes sobre a covid-19 na Irlanda". Hogan disse que acreditava ter acatado "todas as diretrizes relevantes de saúde pública", principalmente por ter testado negativo em um teste de coronavírus.

"Reitero minhas desculpas, de coração, ao povo da Irlanda pelos erros cometidos durante a minha visita. Os irlandeses fizeram esforços incríveis para conter o coronavírus, e a Comissão Europeia continuará a apoiá-los, assim como a todos os Estados-membros para derrotar esta terrível pandemia", enfatizou.

Hogan disse estar ciente do "impacto devastador" da covid-19 e "entender plenamente" que os cidadãos se sentiram "feridos e irritados quando sentiram que quem está no serviço público não cumpre os padrões esperados".

"É importante declarar que eu não descumpri nenhuma lei. Como representante público, deveria ter sido mais rigoroso em minha adesão às diretrizes pela covid-19", argumentou.

Ele já havia pedido desculpas antes e explicado a situação. O jantar ao qual compareceu contava com mais de 80 pessoas. Durante a estadia na Irlanda, em agosto, Hogan também se deslocou por condados confinados e foi detido por dirigir enquanto falava ao telefone.