Conheça o drama das mulheres sem rosto no Paquistão

Vítimas de ataques com ácido dos próprios maridos, elas sofrem preconceito no país

Para a sociedade paquistanesa, as mulheres atacadas com ácido desonraram a família e, por isso, mereceram a punição

Para a sociedade paquistanesa, as mulheres atacadas com ácido desonraram a família e, por isso, mereceram a punição

Reprodução/Rede Record

Cem mulheres por ano são desfiguradas no Paquistão — a maioria, por ataques com ácido cometidos pelos próprios maridos, que as punem por "mau comportamento".  

Apesar de serem vítimas, elas recebem olhares de zombaria e crítica nas ruas. Para a sociedade paquistanesa, se elas foram atacadas, é porque fizeram algo de errado.  

Esse é o drama vivido por Sabira Sultana, atacada pelo marido por uma discordância em relação ao dote que sua família deveria ter pago na ocasião de seu casamento.   

A paquistanesa Shamin Akhtar vive o mesmo drama. Estuprada por uma gangue quando tinha apenas 17 anos, ela foi punida pela "desonra", sendo atacada com ácido.  

Fúria covarde: mulheres são alvo de violência no mundo inteiro

Conheça os cinco países mais perigosos para mulheres no mundo

Mas algumas pessoas estão dispostas a ajudar essas mulheres. É o caso da fundação Sorria de Novo, criada para ajudá-las a voltar a ter uma vida normal.  

Conheça o drama dessas mulheres na reportagem especial de Luiz Carlos Azenha para o Jornal da Record: