Internacional Copiloto violou regras da Malaysia Airlines em 2011, diz programa australiano

Copiloto violou regras da Malaysia Airlines em 2011, diz programa australiano

Companhia está chocada com acusações de que duas jovens entraram na cabine durante o voo

Copiloto violou regras da Malaysia Airlines em 2011, diz programa australiano

A matéria incluiu fotos das mulheres no cockpit, e numa delas estão junto a um homem parecido com Fariq

A matéria incluiu fotos das mulheres no cockpit, e numa delas estão junto a um homem parecido com Fariq

Laurent Errera/AP

A Malaysia Airlines afirmou nesta terça-feira (11) estar chocada com as acusações de um programa de notícias australiano envolvendo o copiloto de seu avião desaparecido.

O voo MH370 desapareceu no sábado (8), enquanto ia de Kuala Lumpur para Pequim, com 239 passageiros.

Entre as pessoas a bordo, estava o primeiro oficial Fariq Abdul Hamid, de 27 anos, que, junto com um colega piloto, violaram as regras da companhia aérea em 2011 ao permitir que duas jovens sul-americanas entrassem na cabine do piloto durante o voo, segundo declarou uma das mulheres à Nine Network da Austrália.

A matéria incluiu fotos das mulheres no cockpit, e numa delas estão junto a um homem parecido com Fariq. Passageiros foram proibidos de entrar na cabine do piloto durante o voo depois dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos.

Sete mistérios ainda intrigam autoridades em sumiço de aeronave

Interpol descarta 'ataque terrorista' ao voo MH 370

O fato teria acontecido durante o voo de uma hora entre o resort tailandês de Phuket a Kuala Lumpur, capital da Malásia, afirma a matéria.

"A Malaysia Airlines tomou nota das alegações feitas contra o primeiro oficial Fariq Abdul Hamid, que levamos muito a sério. Estamos chocados com essas alegacõe", afirmou a companhia em um comunicado.

A Malaysia Airlines disse ainda que Fariq entrou para a empresa em 2007.

"Não fomos capazes ainda de confirmar a validade das fotos e dos vídeos do alegado incidente. Como sabem, estamos no meio de uma crise, e não queremos ter nossa atenção desviada", afirmou ainda.