Novo Coronavírus

Internacional Coreia do Sul tem sinais de infecções após manifestação em Seul

Coreia do Sul tem sinais de infecções após manifestação em Seul

Acredita-se que aproximadamente 10 mil pessoas de uma igreja presbiteriana sediada no distrito de Seongbuk, se reuniram no último sábado

  • Internacional | Da EFE

Pessoas usam máscara para ir aos comércios na Coreia do Sul

Pessoas usam máscara para ir aos comércios na Coreia do Sul

Heo Ran/ Reuters / 19.08.2020

As autoridades sanitárias da Coreia do Sul afirmaram nesta quarta-feira (19) que estão percebendo "sinais de contágio" após uma grande manifestação ocorrida recentemente em Seul, na qual participaram fiéis de uma igreja cristã que concentra um grande surto de covid-19.

O diretor-geral do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da Coreia do Sul (KCDC), Kwon Jung-wook, disse hoje durante entrevista coletiva que das 283 infecções comunitárias detectadas ontem, 166 correspondem ao surto originado na Igreja do Amor Máximo, em Seul.

Esse templo tornou-se a segunda maior fonte de infecção do país desde o surto de fevereiro, na cidade de de Daegu, 230 quilômetros da capital sul-coreana.

Acredita-se que milhares de fiéis desta igreja presbiteriana sediada no distrito de Seongbuk, em Seul, participaram de uma manifestação que contou com aproximadamente 10 mil pessoas, realizada na capital, no último sábado, para protestar contra o governo do liberal Moon Jae-in.

"Vimos sinais de contágio nas manifestações", disse Kwon, observando que até agora dez pessoas parecem ter sido infectadas nesses protestos.

As autoridades acreditam que os fiéis e seu líder, pastor Jun Kwang-hoon, desobedeceram a ordem de isolamento dada pelas autoridades depois que vários paroquianos testaram positivo para covid-19 dias antes da manifestação.

Momento crítico

O diretor-geral do KCDC afirmou que a Coreia do Sul enfrenta um "primeiro momento-chave" neste fim de semana.

"Se os casos continuarem aumentando e com a maioria ainda ligada ao surto do Amor Máximo, pelo menos indicaria que nosso sistema de contenção está funcionando", explicou.

Devido ao aumento de novas infecções diárias que a região da capital sul-coreana vem sofrendo na última semana, foi decretado o retorno do nível 2 de distanciamento.

Isso significa fechar espaços públicos e estádios esportivos, além da redução do número de alunos em salas de aula a um terço do total.

Os serviços religiosos também foram proibidos em todos os templos e igrejas do país, enquanto os cidadãos estão sendo solicitados a reduzir sua vida social ao máximo para combater o maior surto até agora enfrentado pela região da capital, onde reside metade do país.

Com pouco mais de 16 mil infecções e 306 mortes no total, a Coreia do Sul é um dos países que melhor controlou a pandemia da Covid-19 até agora, graças ao seu abrangente sistema de rastreamento de contatos.

Últimas