Coronavírus

Internacional Coronavírus acentua pobreza e desigualdade na América Latina

Coronavírus acentua pobreza e desigualdade na América Latina

Região já á a mais desigual do mundo, e pandemia vai empurrar milhões de pessoas para a pobreza, principalmente minorias, refugiados e imigrantes

  • Internacional | Da EFE, com R7

Pandemia vai levar milhões à pobreza na América Latina

Pandemia vai levar milhões à pobreza na América Latina

Mauricio Dueñas/EFE - 9.4.2020

A pandemia do novo coronavírus vai levar milhões de pessoas à pobreza e acentuar a desigualdade social na América Latina e no Caribe, que já são a região mais desigual do mundo.

Isso foi explicado à agência Efe pela diretora do Departamento de Inclusão Social da Organização dos Estados Americanos (OEA), Betilde Muñoz-Pogossian, que destacou que "além das complicações na questão da saúde, daqueles que infelizmente morrem e depois daqueles que eles não têm acesso ao sistema de saúde ou a medicamentos, existem consequências para as pessoas com a cessação da atividade econômica ".

Guia de políticas inclusivas

"Isso terá, a médio e longo prazo, um impacto muito grande na América Latina e no Caribe, com efeitos prejudiciais na vida de milhões de pessoas", previu a diretora, indicando que, para resolver essa situação, a OEA preparou um "Guia prático de respostas inclusivas e baseadas em direitos perante o coronavírus nas Américas", que propõe recomendações e diretrizes para políticas públicas.

O documento "presta atenção às populações mais vulneráveis ​​da região que, devido a suas características, como sexo, raça, deficiências físicas, orientação sexual ou status de imigração, já sofrem exclusão e discriminação, e a pandemia as acentua".

"No guia, não apenas analisamos a situação particular de mulheres, pessoas com deficiência, idosos, LGBTI, afrodescendentes e indígenas, pessoas privadas de liberdade, mas também enfatizamos as pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza" argumentou.

Pobreza extrema

"Se há algo que a região terá que enfrentar coletivamente", acrescentou, "é a questão da pobreza, uma vez que os milhões de pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza que já tinham se juntarão a outros milhões".

Para a diretora, é importante que o olhar do Estado também inclua os outros grupos identificados no estudo como vítimas de outras desigualdades.

Entre as medidas que a OEA se propõe implementar a curto e médio prazo para enfrentar os efeitos da pandemia na população em situação de pobreza, estão as transferências de dinheiro diretas para famílias sem renda e subsídios para os desempregados.

"Eles já estão fazendo isso em alguns países", admitiu Muñoz-Pogossian, observando que essa é uma prática que pode ser replicada.

Da mesma forma, ela apontou a necessidade de atender crianças e adolescentes que dependiam da escola para conseguir comer, e agora as aulas estão suspensas por causa da pandemia e das medidas de distanciamento social.

"Há também a dimensão do acesso aos sistemas de saúde para realizar o teste para o coronavírus e para acessar tratamentos em caso de contágio. E estamos preocupados com a situação dos migrantes, refugiados e requerentes de asilo" , lembrou a diretora, que observou que "independentemente da situação imigratória, devemos garantir o acesso à saúde dessa população".

Últimas