Coronavírus: Argentina declara quarentena total até 31 de março

Com a medida, quem for pego na rua pode ser preso; apenas pessoas indo comprar medicamentos ou comida perto de casa vão poder sair

Pandemia deixou vazia a tradicional Plaza de Mayo, em Buenos Aires

Pandemia deixou vazia a tradicional Plaza de Mayo, em Buenos Aires

Juan Ignacio Roncoroni / EFE - 19.3.2020

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, decidiu declarar quarentena total no país, como forma de tentar controlar o surto de coronavírus em seu território. A medida passará a valer a partir da meia-noite desta sexta-feira (20) e vai durar pelo menos até o dia 31 de março.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

A decisão do presidente foi tomada após uma reunião com os governadores das províncias argentinas na tarde desta quinta-feira (19), na Casa Rosada, sede do governo do país, em Buenos Aires.

Fora de circulação

Durante a quarentena, estará proibida a circulação de pessoas pelas ruas de todo o país. Elas poderão sair apenas para comprar comida ou remédios em locais próximos às suas residências. Se forem pegas fora dessas condições, podem ser presas e, se estiverem de carro, o veículo será apreendido.

Segundo o jornal La Nación, a vigilância será feita por homens das Forças Armadas, em conjunto com as polícias municipais e provinciais. Quem for pego será acusado de crime contra a saúde pública.

A Argentina, que tem pelo menos 128 casos confirmados e 3 mortes por coronavírus, fechou suas fronteiras no último domingo. Essa medida também vale até o fim do mês.

"Seremos absolutamente inflexíveis", disse Fernández em entrevista coletiva na residência presidencial de Olivos, em Buenos Aires, após uma reunião com parte dos ministros e dos governadores das províncias.