Coronavírus: Presidente da Itália pede a mesma união do pós-guerra

Em comunicado que homenageou os mortos de massacre cometido por nazistas em Roma há 76 anos, Matarella pediu que população fique unida

Italianos mostra bandeira do país em sacada de Roma

Italianos mostra bandeira do país em sacada de Roma

Riccardo Antimiani / EPA - EFE - 24.3.2020

O presidente da Itália, Sergio Mattarella, pediu à população que se mantenha unida como nos anos que sucederam a Segunda Guerra Mundial na luta contra o novo coronavírus, que já deixou 6.820 mortos no país.

Leia também: Itália tem novo aumento e registra 743 novas mortes pelo coronavírus

"Precisamos da mesma unidade dos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial, que permitiram o renascimento moral, civil e econômico e social do país", declarou Mattarella durante o 76º aniversário do massacre das Fossas Ardeatinas, realizado pelos nazistas em Roma no final da guerra.

Sem aglomerações

Neste ano, ao contrário do que vinha acontecendo, não houve cerimônias em homenagens aos mortos em 1944 para evitar aglomerações que possam contribuir para a propagação do vírus SARS-CoV-2.

"O massacre das Ardeatinas constituiu uma das páginas mais dolorosas da história recente de nosso país", afirmou o presidente em nota oficial.

Mattarella reivindicou os "valores fundamentais da memória, paz e solidariedade, contra a vontade de opressão e o racismo, que esse crime representa.

Massacre nazista

O massacre das Fossas Ardeatinas é um dos principais símbolos do horror da ocupação nazista na Itália e se refere à execução de 335 civis e soldados italianos fora de Roma. Foi uma retaliação a um ataque anterior de guerrilheiros italianos, que mataram 33 soldados alemães.

"A liberdade e a democracia foram conquistadas com o sangue de muitos para impedir que desapareçam no futuro", lembrou Mattarella, que apelou a esse capítulo da história italiana para enfrentar a pandemia.