Novo Coronavírus

Internacional Corpos de indigentes são enterrados em vala comum em Nova York

Corpos de indigentes são enterrados em vala comum em Nova York

Hart Island, no Bronx, está recebendo cerca de 24 corpos todos os dias, 5 vezes por semana, desde o começo da pandemia de coronavírus na cidade

  • Internacional | Do R7, com Reuters

Cerca de 24 corpos são enterrados na ilha todos os dias

Cerca de 24 corpos são enterrados na ilha todos os dias

Reuters

Um drone capturou imagens de funcionários enterrando dezenas de pessoas em uma vala comum em Hart Island, no Bronx, em Nova York, nos Estados Unidos.

A cidade é a mais afetada pelo coronavírus, liderando o número de casos e mortes pela doença no país.

A ilha já era conhecida por ser o local em que indigentes eram enterrados na cidade desde o século 19. Agora, com a pandemia, corpos não identificados ou de pessoas cuja família não consegue pagar pelo funeral também são enterrados por ali.

Segundo a Reuters, presidiários trabalhando na ilha e recebendo um salário baixo são responsáveis por enterrar os corpos que chegam. O número começou a subir em março, quando a cidade decretou estado de emergência e um aumento no número de casos e de óbitos.

Atualmente, cerca de 24 corpos são enterrados todos os dias, 5 vezes por semana na ilha, segundo o porta-voz do Departamento de Correção, Jason Kersten.

Os corpos são envolvidos por um saco mortuário e deixados em caixas simples. Os nomes das vítimas da pandemia são escritos no lado da caixa, caso algum deles precise ser desenterrado depois, e todos ficam empilhados em uma grande vala escavada na ilha.

"Foram adicionadas duas novas trincheiras, caso precisemos delas", disse Kersten.

Apesar do número de enterros na ilha e do aumento no número de mortos em Nova York pelo novo coronavírus, a porta-voz do escritório do médico legista da cidade, Aja Worthy-Davis, não garantiu que todos os corpos enterrados em Hart Island sejam de vítimas da pandemia.

O necrotério do escritório legista de Nova York tem espaço para até 900 corpos, mas mais 4 mil podem ficar guardados em 40 caminhões refrigerados da cidade. Porém, caso a pandemia piore, a Hart Islad não vai servir apenas de vala comum, mas também de depósito de corpos.

Confira o vídeo:

Últimas