Internacional Covid: o número de casos diminui e o de mortes aumenta nas Américas

Covid: o número de casos diminui e o de mortes aumenta nas Américas

Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) ressalta que países com muitos vacinados têm menor número de internados 

AFP
Número de casos caiu 31%, enquanto o de mortes causadas pela doença subiu 13%

Número de casos caiu 31%, enquanto o de mortes causadas pela doença subiu 13%

EFE/Demian Alday Estevez

O número de novas infecções pelo coronavírus diminuiu na última semana em vários países das Américas, mas permanece "muito alto", e o de mortes cresceu, particularmente em partes das Américas Central e do Sul, informou nesta quarta-feira (9) a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde).

O escritório regional da OMS (Organização Mundial da Saúde) informou que na primeira semana de fevereiro foram registrados mais de 4,8 milhões de novos casos e mais de 33 mil novas mortes no continente americano.

Isso representa uma redução de 31% nos casos e um aumento de 13% nas mortes em relação à última semana de janeiro.

Na América do Norte, o número de novos casos e mortes diminuiu nos três países (Estados Unidos, Canadá e México), mas o de hospitalizações só diminuiu nas enfermarias americanas e canadenses.

Já na América Central, o número de casos novos caiu em toda a sub-região, mas o de mortes subiu quase 30%.

A Opas também destacou uma desaceleração das infecções na América Sul, com reduções pela metade na Argentina e Peru. Além disso, observou-se um aumento das internações na maioria dos países do Cone Sul, com um crescimento de 50% no Chile.

No Caribe também foram reportados menos casos novos e mais mortes, exceto em alguns países. Em Dominica, as infecções aumentaram 88%.

A diretora da Opas, Carissa Etienne, destacou que a vacinação anti-Covid está reduzindo os casos de doença grave e de mortes. "Uma tendência se destaca: os países com maior cobertura de vacinação estão vendo menos internações e mortes nas unidades de cuidados intensivos", afirmou em coletiva de imprensa. "Isso enfatiza a importância de ampliar o acesso às vacinas, incluindo as doses de reforço", apontou.

Segundo dados da Opas, uma em cada quatro pessoas nas Américas não recebeu nenhuma dose da vacinação contra a Covid-19.

Incerteza

A diminuição do número de casos sugere a aproximação do fim da pandemia? "A principal característica desta pandemia continua sendo a incerteza sobre a sua evolução, o que exige uma certa cautela. Novas variantes preocupantes podem surgir e alterar completamente o perfil epidemiológico da Covid-19", alertou Carissa. 

"Provavelmente estamos no declive de uma onda global causada pela Ômicron", indicou o gerente de incidentes da Opas, Sylvain Aldighieri. "Se surgirem variantes adicionais, não podemos antecipar se elas seriam mais ou menos graves e transmissíveis, e esta é uma incerteza com a qual temos que lidar", acrescentou.

Carissa Etienne enfatizou que, embora o vírus que causa a Covid possa, "eventualmente", tornar-se endêmico, "isso pode levar alguns anos". “Infelizmente, esperamos ver novas epidemias ou grandes surtos, inclusive em áreas com alta cobertura de vacinação, especialmente onde as medidas de saúde pública e distanciamento social forem relaxadas”, advertiu.

Últimas