Coronavírus

Internacional Criança consegue se vacinar sem consentimento do pai na Holanda

Criança consegue se vacinar sem consentimento do pai na Holanda

Justiça determinou que menor deve ser imunizado para limitar o risco de contágio, sobretudo por causa da avó, que está doente

AFP
Enquanto a mãe apoia a vacinação da criança, o pai é totalmente contra

Enquanto a mãe apoia a vacinação da criança, o pai é totalmente contra

Bart Maat/EFE/EPA - 06.01.2021

Uma criança holandesa de 12 anos conseguiu nesta quinta-feira (23) que a Justiça da Holanda a apoiasse em uma queixa contra seu pai por não querer dar a ela a permissão necessária para ser vacinada contra a covid-19, uma decisão que agora lhe permite a receber o imunizante imediatamente, mesmo que se seu pai recorra da decisão.

O tribunal de Groningen, no norte da Holanda, concorda com o garoto porque, frisa, está ciente dos perigos do coronavírus e quer limitar o risco de contágio, principalmente para sua avó, que tem um tumor pulmonar metastático e o menino não pode visitá-la porque "está convencido" de que uma infecção teria consequências fatais para ela.

Segundo o jornal holandês "De Volkskrant", os pais do rapaz são divorciados e têm um relacionamento ruim, então a comunicação sobre os dois filhos, ambos menores, é difícil e, além das diferenças de opinião sobre a vacinação contra a covid-19, já existe outro processo aberto sobre a divisão das tarefas de educação de cuidados com as crianças.

Enquanto a mãe apoia a vacinação da criança, o pai é totalmente contra as vacinas, porque ele duvida de seus efeitos colaterais, nem apoia os testes de coronavírus.

O adolescente já está no primeiro ano do ensino médio e tem idade mínima para receber qualquer uma das vacinas de Pfizer/BioNTech ou Moderna, autorizadas na União Europeia para menores.

O juiz considerou que o interesse da criança pela vacinação supera as objeções "infundadas" do pai sobre os riscos de saúde a longo prazo das vacinas, tais como a infertilidade.

Leia também: Metade do público adolescente do DF já tomou a primeira dose da vacina contra covid-19

No entanto, o Tribunal entende as preocupações do pai e sublinha que "existe sim um pequeno risco" de desenvolver efeitos colaterais graves, como a pericardite, mas que estes são do conhecimento do Conselho de Saúde, que aconselha o governo na campanha de vacinação, e podem ser bem reconhecidos e tratados na maioria dos casos.

Como exemplo, das 9,6 milhões de doses de Pfizer/BioNTech administradas na Holanda, apenas dois casos de miocardite e oito de pericardite foram identificados.

De acordo com a lei holandesa, os jovens com idades entre 16 e 18 anos podem ser vacinados sem a permissão dos pais, enquanto os menores dessa faixa etária precisam da permissão dos responsáveis legais.

A sentença agora permite que o menor seja vacinado imediatamente, mesmo que o pai decida recorrer da decisão.

Últimas