Novo Coronavírus

Internacional Crises alimentares afetaram 20 milhões de pessoas a mais em 2020

Crises alimentares afetaram 20 milhões de pessoas a mais em 2020

Conflitos armados, pandemia de covid-19 e eventos climáticos extremos foram alguns dos fatores que facilitaram esse aumento

Pandemia e eventos climáticos potencializaram as crises alimentares em 2020

Pandemia e eventos climáticos potencializaram as crises alimentares em 2020

REUTERS/Carla Carniel

Quase 20 milhões de pessoas a mais sofreram com crises alimentares no ano passado em meio a conflitos armados, a pandemia de covid-19 e eventos climáticos extremos, e a perspectiva para este ano também é desoladora, de acordo com um relatório da Rede Global Contra Crises Alimentares.

A agência humanitária, criada em 2016 pela União Europeia e pela Organização das Nações Unidas (ONU), também alertou que a insegurança alimentar aguda continua a piorar desde 2017, o primeiro ano de seu relatório anual sobre crises alimentares.

"Precisamos fazer tudo que pudermos para encerrar este ciclo vicioso. Não existe lugar para a falta de alimento e a inanição no século 21", disse o secretário-geral da ONU, António Guterres. Ele acrescentou que conflitos e fome precisam ser combatidos conjuntamente, já que reforçam um ao outro.

Definida como qualquer falta de alimento que ameace vidas, formas de sustento ou ambas, a insegurança alimentar aguda em níveis críticos ou pior impactou ao menos 155 milhões de pessoas no ano passado, o maior número visto nos cinco anos de existência do relatório.

O documento alertou que neste ano não se espera uma melhora da situação, atiçada primeira e principalmente por conflitos, mas que as medidas de contenção relacionadas à pandemia de covid-19 são um fator de exacerbamento.

Duas de três pessoas afetadas por crises alimentares em 2020 são da África, embora outras partes do mundo não tenham sido poupadas – Iêmen, Afeganistão, Síria e Haiti estão entre os 10 locais mais afetados.

Últimas