Novo Coronavírus

Internacional Curado da covid-19, Johnson diz ser cedo para aliviar confinamento

Curado da covid-19, Johnson diz ser cedo para aliviar confinamento

Primeiro-ministro britânico destacou riscos de um segundo pico da doença e reiterou que o país enfrenta o 'maior desafio' desde a Segunda Guerra

  • Internacional | Da EFE

Johnson volta ao trabalho nesta segunda (27), após ser curado de covid-19

Johnson volta ao trabalho nesta segunda (27), após ser curado de covid-19

Neil Hall / EFE-EPA - 27.4.2020

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, agradeceu ao seu país pelos esforços para lidar com a pandemia da covid-19. Em pronunciamento feito nesta segunda-feira (27), Johson ainda afirmou que estes esforços estão conseguindo retardar a progressão da doença, mas que medidas de confinamento ainda não poderão ser flexibilizadas.

Em uma declaração na sua residência oficial em Downing Street, a primeira após se recuperar do novo coronavírus, Johnson reiterou que o país enfrenta o "maior desafio" desde a Segunda Guerra Mundial, mas insistiu que algumas medidas de confinamento só serão levantadas quando houver certeza de que que não haverá outro pico nas infecções.

"Peço que contenha sua impaciência, pois acho que estamos chegando ao fim da primeira fase deste conflito", disse o primeiro-ministro, que chegou a ser internado na UTI por conta dos efeitos da covid-19.

Risco de novo pico de covid-19

O premier admitiu que compartilha da preocupação das empresas e do comércio com a quarentena, mas que não é hora de "abandonar os esforços e sacrifícios da população britânica" sob o risco de outro pico da doença.

Johnson, de 55 anos, disse compreender "como tem sido difícil e estressante abandonar temporariamente as liberdades básicas e seguir em frente enquanto mantém as crianças em casa e trabalhando remotamente".

Mas ele insistiu no risco de um segundo aumento acentuado de infecções, o que seria um "desastre econômico".

Confinamento evitou colapso do sistema de saúde

O primeiro-ministro observou que o Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, sigla em inglês) não ficou sem ventiladores ou leitos nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), assim como não houve um colapso do serviço, como se temia.

Boris Johnson preside hoje a reunião regular sobre a crise da Covid-19, regressando ao trabalho três semanas após ser hospitalizado infectado pelo novo coronavírus.

Últimas