Internacional Defesa de ex-presidente da Bolívia apresenta 50 provas e pede soltura

Defesa de ex-presidente da Bolívia apresenta 50 provas e pede soltura

Advogados alegam que Jeanine Áñez, presa preventivamente por conspiração, sedição e terrorismo, é vítima de 'perseguição política'

Até o momento, conteúdo das provas apresentadas pela defesa de Áñez não é conhecido

Até o momento, conteúdo das provas apresentadas pela defesa de Áñez não é conhecido

Henry Romero/ Reuters - 15.11.2019

A defesa da ex-presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez apresentou nesta quarta-feira (30) cerca de 50 provas com as quais pretende mostrar que ela é vítima de uma "perseguição política" e pedir sua soltura imediata.

Áñez está em prisão preventiva há mais de três meses sob acusação de conspiração, sedição e terrorismo durante a crise política de 2019 que resultou na renúncia de Evo Morales à presidência do país e na anulação das eleições daquele ano em meio a alegações de fraude em favor do então mandatário.

"Hoje foram apresentadas 50 provas mostrando que tudo é perseguição política, e sua libertação imediata será exigida", diz uma mensagem publicada nas redes sociais de Áñez, que são administradas por seus parentes.

A defesa da ex-presidente alega que, após vários meses, o Ministério Público não apresentou provas objetivas para provar os fatos pelos quais Áñez e dois de seus ex-ministros foram processados.

Até o momento, o conteúdo das provas apresentadas pela defesa de Áñez não é conhecido, o que deve ser avaliado por um juiz para determinar se deve ou não proceder com o pedido de soltura.

"Na Bolívia, o sistema judicial submetido ao MAS (Movimento ao Socialismo, partido de Evo Morales e que está atualmente no poder com o presidente Luis Arce) decidiu sequestrar a ex-presidente, acusando-a de terrorismo, sedição e golpe de Estado", diz outra mensagem publicada nas redes de Áñez.

"Seus direitos civis e humanos estão sendo violados por ela ser mantida detida por um caso que sequer foi bem armado e que o próprio Evo está destruindo em cada declaração que faz", acrescenta.

Últimas