Era Trump
Internacional 'Definitivamente': Trump repete que deve declarar emergência por muro

'Definitivamente': Trump repete que deve declarar emergência por muro

Presidente também disse que cancelará viagem a Davos se paralisação do governo continuar. Presidente quer 5,7 bilhões de dólares para barreira

Era Trump

Trump: declaração de emergência pode enfrentar contestações em tribunais

Trump: declaração de emergência pode enfrentar contestações em tribunais

REUTERS/Jim Young/09.01.2019

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira (10) que deve declarar emergência nacional para assegurar recursos para o muro ao longo da fronteira sul do país, caso não consiga chegar a um acordo com os democratas no Congresso para garantir o dinheiro.

Falando a repórteres na Casa Branca conforme se preparava para partir para visitar a cidade fronteiriça de McAllen, no Texas, no vigésimo dia de uma paralisação parcial do governo, Trump repetiu sua alegação de que ele tinha o direito de declarar uma emergência nacional sobre imigração. "Eu não fiz isso ainda, mas posso fazê-lo. Se nada funcionar, eu diria que 'quase definitivamente' faria", declarou. 

Trump tem buscado 5,7 bilhões de dólares (aproximadamente R$ 20 bi) para o financiamento parcial do muro nas negociações com líderes do Congresso, mas os democratas têm se mantido firmes em sua oposição ao fornecimento de dinheiro para um muro de fronteira.

O impasse levou à paralisação de cerca de um quarto das agências federais dos EUA, quando o financiamento acabou no ano passado.

Se Trump declarar uma emergência em um esforço para redirecionar recursos aprovados pelo Congresso para outros fins provavelmente enfrentará contestações nos tribunais.

Sem viagem a Davos

Em seu discurso, o presidente disse que ainda está prevista sua participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça, no final deste mês, mas que não fará a viagem se a paralisação parcial do governo continuar.

"Eu pretendia ir e falar diante da comunidade financeira mundial em Davos. Isso ainda está de pé, mas se a paralisação continuar... eu não vou. Eu tinha planejado ir... nós temos uma ótima história para contar", disse Trump a repórteres antes de deixar a Casa Branca para visitar o Texas.

A paralisação parcial do governo, agora no seu vigésimo dia, pode terminar até o início da reunião na Suíça, em 22 de janeiro. O encontro se encerra dia 25.

O vice-presidente da China, Wang Qishan, também deve comparecer, mas não está claro se há algum acerto para um encontro entre ele e Trump durante o evento. A China e os EUA acertaram uma pausa de 90 dias na implementação de tarifas para negociar um acordo comercial.

A reunião em Davos também pode fornecer a Trump oportunidades para discutir melhores termos de troca com a União Européia, Japão, Canadá e México.