Desemprego: governador da Flórida reluta em decretar quarentena 

Ron DeSanctis diz que pensa nos problemas na economia e na dificuldade das pessoas garantirem seus salários

Motoristas são testados para o coronavírus perto de um estádio em Miami

Motoristas são testados para o coronavírus perto de um estádio em Miami

Cristobal Herrera / EPA - EFE - 25.3.2020

O governador da Flórida, Ron DeSantis, disse nesta quarta-feira (25) que impor uma quarentena no estado devido ao novo coronavírus pode gerar problemas para a economia e fazer com que algumas pessoas fiquem desempregadas.

Leia também: Apesar de pandemia, Trump quer economia funcionando já na Páscoa

"Uma quarentena em nível estadual é inapropriada porque temos que levar em conta os efeitos colaterais, que fariam com que uma grande parte da população perdesse seus empregos", opinou DeSantis em entrevista coletiva.

Quase 1.500 casos

De acordo com os últimos dados do Departamento de Saúde da Flórida, há 1.467 casos confirmados de coronavírus no estado, 20 pessoas morreram e 1.221 pessoas estão aguardando os resultados do teste.

"Penso que em algumas regiões do estado onde há casos mais esporádicos seria um problema ordenar à população que não pudesse ganhar um salário, quando ir trabalhar não tem efeito sobre o vírus", comentou.

O maior número de casos foi detectado no sudeste da Flórida, com os condados de Miami-Dade e Broward sendo os mais afetados, com 367 e 312 casos respectivamente. Isso levou as autoridades locais a começaram a tomar medidas.

A população está obrigada a permanecer em casa para evitar a propagação do vírus SARS-CoV-2, embora possa sair para comprar alimentos e bens de primeira necessidade, fazer exercício e ir trabalhar com certas limitações.