Internacional Dez anos depois, Chile homenageia os 33 mineiros resgatados

Dez anos depois, Chile homenageia os 33 mineiros resgatados

Para Mario Sepúlveda, um dos mineiros que ficaram cerca de dois meses aguardando resgate, foi 'tremendamente' difícil superar o trauma

  • Internacional | Da Reuters, com R7

Para Mario Sepúlveda, o segundo a ser resgatado, uma década não passa em vão

Para Mario Sepúlveda, o segundo a ser resgatado, uma década não passa em vão

Reprodução/site Mário Sepúlveda

O resgate espetacular de 33 mineiros presos por dois meses no deserto do Atacama chileno ganhou as manchetes em todo o mundo.

Uma década depois, um dos homens que viveu essa aventura lembra que seu momento de maior medo foi durante os poucos minutos em que foi transportado à superfície em uma cápsula criada especialmente para o resgate.

Leia mais: Líder dos mineiros chilenos que ficaram 69 dias presos 688 m abaixo do chão quer voltar para o fundo da terra

O colapso ocorreu no início de agosto de 2010 na mina San José, um pequeno depósito situado entre colinas poeirentas perto da cidade de Copiapó, cerca de 800 quilômetros ao norte de Santiago.

Só no final desse mês foi possível constatar que os homens, presos a mais de 700 metros de profundidade, estavam vivos graças a uma mensagem que conseguiram transmitir à superfície, quando já tinham sido realizadas as primeiras escavações: “Estamos bem no refúgio o 33 ”.

O resgate foi finalmente iniciado em 13 de outubro, com cada um dos homens emergindo das entranhas da terra a bordo de uma cápsula que subia por um buraco estreito na rocha. A operação foi transmitida ao vivo minuto a minuto, paralisou o Chile e despertou o interesse mundial.

Os mineiros viraram estrelas e a história ainda gerou um filme, com o espanhol Antonio Banderas no papel de Mario Sepúlveda, líder do grupo e segundo homem a ser resgatado.

"A verdade é que todo o medo que eu nunca tive, por assim dizer, lá embaixo quando estava naqueles dias de tragédia, tive na hora e na saída foi terrível, terrível", disse Sepúlveda em entrevista ao Reuters.

“Na verdade”, acrescentou, “um protocolo tinha que ser respeitado de uma forma ou de outra e eu nunca o segui. Eu gritei, só queria sair, ver a luz ”.

Na terça-feira, o presidente Sebastián Piñera - que esteve em seu primeiro governo há 10 anos - conduziu um ato de comemoração no Palácio de La Moneda.

“Devemos lembrar e aprender com as lições do Milagre da Mina San José para enfrentar com a mesma vontade, fé, unidade, força e esperança os grandes desafios que a pandemia do coronavírus e a recessão econômica global colocaram em nosso caminho”, disse Piñera.

Mas para Sepúlveda - que esteve presente na cerimônia oficial - uma década não passa em vão, sobretudo quando explica que ultrapassar o trauma e não ficar "trancado" foi algo "tremendamente" difícil.

“Temos muitas diferenças com os nossos colegas”, reconheceu, embora isso não signifique “que não podemos falar, que não podemos rir, que não nos lembramos de coisas tão maravilhosas que nos aconteceram lá embaixo”, finalizou Sepúlveda.

Últimas