Novo Coronavírus

Internacional Dinamarca decide desenterrar e incinerar milhões de visons abatidos

Dinamarca decide desenterrar e incinerar milhões de visons abatidos

Mais de 4 milhões de animais serão retirados do local onde estão para serem queimados. Animais apresentaram mutação do novo coronavírus

  • Internacional | Da EFE

Ao todo, mais de 15 milhões de animais foram mortos

Ao todo, mais de 15 milhões de animais foram mortos

Ayuntamiento de Vitoria/EFE

O governo social-democrata da Dinamarca chegou a um acordo com seus aliados de centro-esquerda para desenterrar e, em seguida, incinerar mais de 4 milhões de visons mortos depois de apresentarem uma mutação do vírus que provoca a covid-19.

Desde o início de novembro, a Dinamarca sacrificou todos os seus visons (mais de 15 milhões), quando uma nova cepa do vírus foi detectada. Essa variação enfraquece a capacidade de criar anticorpos e poderia comprometer a eficácia de vacinas futuras.

Embora a maioria dos animais tenha sido cremada, as autoridades abriram duas valas comuns em instalações militares no oeste do país para acelerar o processo.

As imagens de centenas de animais vindo à tona devido ao efeito dos gases que surgiram há algumas semanas e a constatação de que alguns haviam sido enterrados a menos de 300 metros de um lago, supostamente infringindo protocolos ambientais, causaram reclamações da maioria dos Parlamento dinamarquês.

As autoridades ambientais estimam que não há perigo de contaminação da água. Por isso, o governo e seus aliados concordaram em desenterrar os visons em até seis meses, quando não houver mais risco de infecção. Assim, poderão ser incinerados como lixo industrial.

O processo decorrerá entre o final de maio e meados de julho e tem um custo estimado de cerca de 11 milhões de euros (R$ 57 milhões).

Escândalo político

A polêmica sobre a cobertura jurídica de uma ordem do governo de eutanásia de todos os animais, e não apenas os infectados ou localizados nas proximidades, causou uma tempestade política que terminou com a renúncia, há um mês, do ministro da Agricultura, Mogens Jensen.

O Executivo promoveu uma lei, que será aprovada hoje no Parlamento, proibindo a criação de visons até o final de 2021, embora já se tenham passado semanas desde que considerou a mutação extinta e levantou as restrições temporárias na área mais afetada.

O fechamento da indústria de peles, que emprega cerca de 6.000 pessoas, gerou diversos protestos de fazendeiros de visons, apoiados pela oposição de direita, enquanto o valor da indenização ao setor continua sendo discutido.

Últimas