Dinamarqueses respondem às críticas por morte da girafa Marius

Para muitos, a reação global foi hipócrita e politicamente correta

Dinamarqueses respondem às críticas por morte da girafa Marius

Internautas dinamarqueses protestaram na última segunda-feira (10) contra a onda de indignação causada pelo sacrifício por razões genéticas de uma jovem girafa, chamada Marius, no zoológico de Copenhague.

A girafa foi morta com um tiro na nuca. Depois, teve sua necropsia feita em público e foi entregue aos leões do zoológico.

Para muitos dinamarqueses, a reação global foi hipócrita e politicamente correta.

Filhote de girafa saudável é sacrificado em frente ao público e vira comida para leões

Denúncia: fotos chocantes revelam o tratamento de macacos criados para pesquisa

Homem é acusado de crueldade animal após seu cão ter pata amputada por excesso de pelos

"O mundo está louco. Vocês acham que os leões comem repolhos?", perguntou o jornalista Kristian Madsen, do jornal Politiken.

"Marius viveu em um bom lugar por um ano e meio. Viveu, e agora os leões estão contentes e saciados", afirmou Mikkel Dahlqvist, consultor de Relações Públicas.

"Como as pessoas reclamam disso enquanto existe o câncer, a guerra na Síria e o Partido Popular (de extrema-direita, anti-imigrantes)?", disse Dorte Dejbjerg Arens, que trabalha no setor de turismo do zoológico.

A fraca comoção registrada na Dinamarca pela execução da girafa se deve a razões culturais, na opinião de Peter Sandoe, professor de Bioética na Universidade de Copenhague.

"O sentimento geral aqui é de que é normal ter e depois matar animais, desde que eles sejam bem tratados", explicou Sandoe à AFP, destacando que os defensores dos direitos dos animais dinamarqueses são tão influentes como em outros países.

Ao negar-se a castrar ou dar anticoncepcionais aos animais, o zoológico respeita sua missão de preservar as espécies, mais do que os indivíduos, e contribuir para o conhecimento da vida selvagem.

O zoológico de Copenhague não é o primeiro a fazer uma necropsia pública dos animais: o Museu de História Natural de Aarhus o faz regularmente durante férias escolares, segundo o Politiken. O público, em geral, é de 7 mil pessoas.

É justo matar filhote de girafa para alimentar leões

Fúria selvagem: homens são mutilados e devorados por animais

Mais de 100 milhões de animais são cobaias em todo o mundo