Internacional Distrito escolar dos EUA traz de volta palmadas em crianças

Distrito escolar dos EUA traz de volta palmadas em crianças

Punição física será aplicada para qualquer aluno que não se comporte corretamente e cujos pais estejam de acordo

Reuters

Resumindo a Notícia

  • Palmada pode retornar neste ano letivo nas salas de aula do Missouri
  • Administradores notificaram pais sobre a nova política e deram formulários de consentimento
  • Punição corporal era aceita para manter disciplina nas escolas dos EUA nos séculos 19 e 20
  • Em 1977, a Suprema Corte dos EUA decidiu que o castigo corporal escolar era constitucional
Punição corporal era comum durante os século 19 e 20 para manter a disciplina

Punição corporal era comum durante os século 19 e 20 para manter a disciplina

Pexels

A palmada pode retornar neste ano letivo nas salas de aula de uma pequena cidade no sudoeste do Missouri, Estados Unidos, onde o distrito passará a permitir a punição física para qualquer aluno indisciplinado cujos pais estejam de acordo.

Em Cassville, a cerca de 80 quilômetros da cidade Branson, os administradores esta semana notificaram os pais sobre a nova política em uma reunião e entregaram formulários de consentimento para serem assinados, de acordo com um pai que participou da reunião.

"No final das contas, isso dá à escola mais uma ferramenta para disciplinar uma criança, sem mandá-la para casa em suspensão, onde apenas jogaria videogame", disse Dylan Burns, 28, agricultor local que favorece o opção de castigo corporal.

A punição corporal era um meio amplamente aceito de manter a disciplina nas escolas norte-americanas durante o século XIX e início do século XX, mas a prática desapareceu nas últimas décadas.

Em 1977, a Suprema Corte dos EUA decidiu que o castigo corporal nas escolas era constitucional, dando aos Estados o direito de decidir por conta própria. Desde então, muitos deles proibiram a prática.

Mas 19 Estados dos EUA ainda permitem, a maioria deles no Sul, de acordo com a Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente.

Últimas