Novo Coronavírus

Internacional 'É preciso haver coesão' diz diretor da OMS sobre saída de Teich

'É preciso haver coesão' diz diretor da OMS sobre saída de Teich

Em coletiva nesta sexta-feira, Mike Ryan preferiu não comentar o aumento de casos e mortes por covid-19 no Brasil, apenas recomendou 'coesão'

Agência Estado
Mike Ryan, da OMS, evitou comentar a situação da pandemia no Brasil

Mike Ryan, da OMS, evitou comentar a situação da pandemia no Brasil

Salvatore Di Nolfi / EFE - EPA - arquivo

Questionado nesta sexta-feira (15) sobre a renúncia do ministro da Saúde, Nelson Teich, o diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde, Mike Ryan, se limitou a dizer que está ciente da alta no número de novos casos do novo coronavírus no Brasil e evitou fazer comentários específicos sobre a situação política no País.

Leia também: Países da América Latina reforçam pedido da OMS de apoio global

"É crucial que haja coerência e coesão na abordagem da sociedade e da governo, especialmente em grandes federações, onde as comunidades precisam ouvir uma mensagem consistente das lideranças em todos os níveis", afirmou, durante coletiva de imprensa, em Genebra, na Suíça.

Na coletiva, o diretor-geral da entidade, Tedros Adhanom Ghebreyesus, destacou que pesquisadores no mundo inteiro estão trabalhando com rapidez para entender o vírus e potencialmente desenvolver vacinas, medicamentos e outras tecnologias. "Essas ferramentas são esperanças adicionais na esperança de superar a covid-19, mas não irão acabar com a pandemia se não pudermos garantir acesso igualitário a elas", afirmou.

Tedros Ghebreyesus revelou ainda que a OMS vai lançar uma plataforma aberta e colaborativa de compartilhamento de conhecimento, dados e propriedade intelectual relacionados ao coronavírus. "A solidariedade global vai acelerar a ciência e expandir o acesso para que possamos superar a doença", disse.

Últimas