Estado Islâmico

Internacional Em Mossul, 750 mil crianças estão sem serviços de saúde, diz Unicef

Em Mossul, 750 mil crianças estão sem serviços de saúde, diz Unicef

Fundo das Nações Unidas para a Infância faz um apelo para arrecadar US$ 750 milhões para reconstruir hospitais e postos de saúde na cidade iraquiana

  • Internacional | Cristina Charão, do R7

Mosul foi destruída durante os combates contra o Daesh

Mosul foi destruída durante os combates contra o Daesh

Reuters / Khalid Al-Mousily / 28.1.2018

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) fez um alerta sobre a situação de 750 mil crianças que estão sem acesso a qualquer atendimento de saúde na cidade de Mossul.

Sete meses depois dos militantes do Daesh serem expulsos da cidade, menos de 10% das unidades de saúde da província de Ninewah estão funcionando.

O órgão da ONU fez um apelo à comunidade internacional para reunir doações no valor de 17 milhões de dólares, a serem investidos na reconstrução da rede de atendimento em saúde.

Além do atendimento às crianças que ainda moram em Mosul, a reabertura de postos de saúde e hospitais é fundamental para os milhares de deslocados pelos conflitos que agora começam a retornar para suas casas.

Na próxima semana, será realizada no Kuwait a Conferência para a Reconstrução do Iraque. O Unicef espera que esta seja uma oportunidade para sensibilizar lideranças para a situação das crianças no país.

"O que eu vi nos hospitais de Mossul é doloroso e inspirador", afirmou Peter Hawkins, representante do Unicef no Iraque em comunicado oficial. Ele visitou a cidade esta semana.

Watt se diz maravilhado com "a engenhosidade e a dedicação dos profissionais de saúde que estão empenhados em dar aos recém nascidos o melhor começo possível na vida nas circunstâncias mais desafiadoras".

No Twitter, Watt publicou um vídeo em frente ao que restou do hospital Al Khansa: "Estou em Mossul, seis meses depois do que é, provavelmente, o pior conflito urbano desde a Segunda Guerra Mundial. Mais de 2 milhões de pessoas, mais de 1 milhão de crianças, foram afetados por este conflito — seja por terem de deslocar, seja por ficarem presos nesta cidade totalmente destruída. Isto é parte de um hospital como o vemos hoje. Está completamente destruído. Algumas partes dele conseguem funcionar, mas estão lotadas. Para as crianças, não há nenhum tipo de atendimento em Mossul."

Últimas