Em prisão domiciliar, ex-presidente da Colombia está com covid- 19

Álvaro Uribe recebeu uma equipe médica em sua fazenda do departamento de Córdoba, onde cumpre uma decisão da Suprema Corte do país

Álvaro Uribe deixa sala da Suprema Corte colombiana após prestar depoimento

Álvaro Uribe deixa sala da Suprema Corte colombiana após prestar depoimento

JUAN ZARAMA/ EFE/ 08.10.2019

O ex-presidente da Colômbia, Álvaro Uribe apresentou teste positivo para o novo coronavírus, nesta quarta-feira (5). De acordo com o jornal El Tiempo, ele não apresenta sintomas da doença. O anúncio ocorre um dia após a Suprema Corte do país aplicar a prisão domiciliar ao ex-presidente. 

Segundo o jornal, ele receber uma equipe médica em sua fazenda, no departamento de Córdoba, onde cumpre a decisão que determinou a prisão preventiva, agora substituída por domiciliar. Além dele, seus dois filhos, Jeronimo e Tomás, também estão com covid.

Pagamento a testemunhas

Álvaro Uribe é acusado de fraude processual e suborno em um caso que envolve o senador Iván Cepeda. Em 2012, Álvaro Uribe processou Iván Cepeda acusando-o de manipular paramilitares para testemunhar contra ele. Mas no decorrer do processo, a história se inverteu após Uribe ser acusado de pagar para testemunhas falarem contra Cepeda. 

Cepeda fez uma investigação e entrevistou diversos paramilitares presos, que afirmaram que Álvaro Uribe e seu irmão Santiago, junto com empresários de Antioquia, ajudaram a fundar um grupo paramilitar conhecido como Bloco Metro das AUC (Autodefesas Camponesas de Córdoba e Urabá). 

Após estas entrevistas virem à tona, Álvaro Uribe processou Iván Cepeda, justamente o processo em que o ex-presidente teve agora, a prisão preventiva decretada. Ao longo da investigação, ficou comprovado que ele pagou testemunhas para que se retratassem dos depoimentos anteriores e mudassem as versões. 

Este é o único processo contra o ex-presidente e hoje senador que está adiantado na justiça colombiana. Mas Uribe responde em outros casos mais graves, que apesar de serem mais antigos, não tiveram uma tramitação mais ágil.

Vínculos com o paramilitarismo

undefined

Um dos casos mais antigos que tramita na Justiça colombiana contra Álvaro Uribe trata de quando ele ainda era governador do departamento de Antioquia, nos anos 1990. Ele é vinculado aos massacres de El Aro, La Granja e San Roque, cometidos por paramilitares na época.

Na ocasião, o líder comunitário Jesús María Valle Jaramillo denunciou as atrocidades cometidas pelo grupo armado de direita e a forma brutal como vinham ocupando territórios, mas acabou assassinado. Uribe sempre negou ter conhecimento ds massacres, bem como qualquer vínculo com o grupo.

Anos mais tarde, o ex-paramilitar Francisco Villalba, em depoimento contou que Uribe não só tinha conhecimento da atuação do grupo, como também apoiava as ações. Álvaro Uribe voltou a negar e disse que o depoimento de Villalba apresentava incorerências. Anos depois o paramilitar foi assassinado. 

Além dos processos que vinculam o ex-presidente e seus familiares com os paramilitares na Colômbia, ele também é acusado de participar de um esquema de interceptações telefônicas ilegais contra políticos opositores, juízes, ativistas de direitos humanos e líderes comunitários através do extinto DAS (Departamento de Administrativo de Segurança).

E ainda um esquema de corrupção no Cogresso para que fosse aprovada sua reeleição.