Internacional Escândalo pode ameaçar projeto de independência da Escócia

Escândalo pode ameaçar projeto de independência da Escócia

Primeira-ministra é inocentada em escândalo com antecessor, mas precisa de boa votação em eleição para seguir com referendo

  • Internacional | Da AFP

Nicola Sturgeon pretende realizar referendo da independência escocesa este ano

Nicola Sturgeon pretende realizar referendo da independência escocesa este ano

Andy Buchanan / Pool via AFP - 18.3.2021

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, foi inocentada, nesta segunda-feira (22), de ter infringido o código de conduta de seu cargo na condução das investigações sobre acusações de agressão sexual contra seu predecessor, Alex Salmond, um escândalo que ameaça seu projeto independentista em um momento-chave.

Leia também: Escócia quer extensão de dois anos do período de transição do Brexit

O governo autônomo da Escócia publicou nesta segunda um anteprojeto de lei que estabelece o calendário e a pergunta para um novo referendo sobre a independência do país em relação ao Reino Unido, que tem uma oposição firme do governo britânico liderado por Boris Johnson.

A seis semanas das eleições legislativas regionais, que os independentistas do Partido Nacional Escocês (SNP na sigla em inglês) de Sturgeon esperam ganhar com folga, o ministro de questões constitucionais, Michaell Russell, afirmou que irá apresentar o texto para que os eleitores possam escolher quem será o mais indicado para conduzir a recuperação do país após a pandemia.

Segundo o anteprojeto de lei, caberia ao Parlamento escocês escolher a data para a votação do referendo, mas o executivo sugeriu que aconteça após o fim da crise sanitária.

Se a maioria do parlamento regional apoiar a realização de um referendo, não haverá "justificativa democrática alguma" para que o governo britânico tente bloquear a votação, disse Russell, lembrando perigosamente o que aconteceu em 2017 na Catalunha, onde se realizou uma consulta depois considerada ilegal pelo governo central e reprimida pela polícia espanhola.

A pergunta, formulada como "A Escócia deve se transformar em um país independente/' seria a mesma de 2014, quando essa nação britânica de 5,5 milhões de habitantes decidiu, com 55% dos votos, permanecer integrada ao Reino Unido.

Naquela ocasião, o principal argumento contra a independência era o risco de ficar fora da União Europeia.

Ironicamente, dois anos mais tarde, o conjunto do Reino Unido votou a favor do Brexit e os escoceses, dos quais 62% votaram contra a saída ritânica do bloco, agora estão fora da UE contra sua vontade.

Sturgeon respira um pouco

Tudo isso, somado à boa gestão da pandemia pelo governo de Sturgeon, que contrastou com as caóticas políticas de Boris Johnson, resultou em um apoio renovado ao movimento do independentismo.

No entanto, nas últimas semanas, Surgeon se viu engolida por um escândalo político que quase a obrigou a deixar o cargo e perder votos para o SNP na eleição de 6 de maio, o que emperraria todo o projeto.

A polêmica girou em todo do modo como o Executivo escocês e a própria Sturgeon conduziram várias acusações de agressão sexual contra seu predecessor e ex-mentor Alex Salmond, que acabou sendo absolvido pela Justiça em 2020.

Nesta segunda, foi apresentado um relatório independente, elaborado pelo advogado James Hamilton, ex-diretor da Procuradoria da Irlanda, que a inocentou, concluinto que "a primeira-ministra não infringiu as regras do código ministerial neste caso".

"Em todos os momentos atuei com integridade e protegendo o interesse público", disse Sturgeon, que deverá ter pouco tempo de paz, uma vez que uma comissão do Parlamento escocês deve publicar na terça seu próprio relatório e, segundo a imprensa local, concluiu que a líder "enganou" os deputados.

Conhecida defensora dos direitos das mulheres no contexto do movimento #MeToo, a primeira-ministra havia ordenado, em 2018, uma mudança na forma de investigar as acusações de assédio sexual. Na investigação sobre sua conduta, ela alegou que, na época, desconhecia o caso de Salmond.

O político, por sua vez, afirma que se tratou de uma manobra política, que buscava levá-lo à cadeia e acabar com sua carreira.

Últimas