Novo Coronavírus

Internacional Espanha cogita impor toque de recolher para conter covid-19

Espanha cogita impor toque de recolher para conter covid-19

Governo estuda medidas drásticas para tentar reduzir o impacto de uma segunda onda da doença causada pelo novo coronavírus

Alunos da Universidade de Salamanca já estão confinados nos alojamentos

Alunos da Universidade de Salamanca já estão confinados nos alojamentos

J. M. García / EFE - 20.10.2020

O governo da Espanha anunciou nesta terça-feira (20) que está estudando a possibilidade de impor um toque de recolher em todo o país como medida para conter uma segunda onda de infecções pelo novo coronavírus, que nas últimas 24 horas causou 218 mortes e 13.873 contágios.

Leia também: Após aumento de casos, Catalunha fecha bares e restaurantes

Desde o início da pandemia de covid-19, 988.322 casos de infecção e 34.210 mortes foram relatados na Espanha, de acordo com dados oficiais.

Os números divulgados hoje pelo Ministério da Saúde espanhol indicam que Madri continua a ser, de longe, a comunidade autônoma com o maior número de novas casos, com 1.358 nas últimas 24 horas, à frente de Aragão (713), País Basco (613) e Navarra (578).

Esta última região excede em muito a incidência acumulada na Espanha nos últimos 14 dias, que atualmente é de 322,94 casos por 100.000 habitantes. No caso de Navarra, esse índice chegou a 1.002,73 casos por 100.000 habitantes, ainda segundo o Ministério.

Devido a estes números e outros indicadores de saúde, Navarra ficará, a partir de quinta-feira, sob novas medidas de confinamento, que incluem o fechamento de hotéis e a proibição de entrada e saída de pessoas na região por 14 dias, exceto em casos excepcionais estabelecidos por obrigações trabalhistas, serviços essenciais e situações de emergência.

Possível toque de recolher

O governo espanhol anunciou hoje que vai conversar com autoridades de Madri e outras regiões que consideram a possível aplicação de um toque de recolher para conter a onda de casos de coronavírus, o que exigiria a decretação de um estado de alarme no país, ainda que parcial.

O toque de recolher, atualmente decretado em Paris e em oito regiões metropolitanas da França, não está especificado na legislação espanhola e reabre o debate jurídico sobre como deve ser aplicado e sobre a limitação dos direitos fundamentais dos cidadãos.

O ministro da Saúde espanhol, Salvador Illa, confirmou em entrevista coletiva que esta possibilidade está sobre a mesa do presidente do governo, Pedro Sánchez, para ser analisada, mas não é "iminente" e só será adotada se houver um acordo com todas as comunidades autônomas e apenas sob o estado de alarme.

Vacinas chegam em dezembro

Além de estudar um possível toque de recolher, o governo espanhol anunciou hoje que o país receberá 31.555.469 milhões de doses da vacina fabricada pelo laboratório Astrazeneca, das quais 3,1 milhões chegarão em dezembro se ela passar por todos os filtros de segurança.

Essa vacina contra a Covid-19 será administrada em duas doses e, com isso, servirá para imunizar cerca de 15 milhões de pessoas.

Últimas