Estado Islâmico

Internacional Estado Islâmico reivindica atentado que deixou 4 mortos em Viena

Estado Islâmico reivindica atentado que deixou 4 mortos em Viena

Em vídeo veiculado hoje pela 'Amaq', é possível ver radical apontado como autor da ação jurando lealdade ao novo líder do Estado Islâmico

Marca de tiro disparado durante ataque terrorista em Viena, na Austria

Marca de tiro disparado durante ataque terrorista em Viena, na Austria

Radovan Stoklasa/ Reuters/ 03.11.2020

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira a autoria do ataque realizado ontem no centro de Viena, na Áustria, que deixou quatro mortos e 22 feridos.

Em comunicado divulgado pelo serviço de mensagens Telegram, a organização indica que "um soldado do califado" se lançou contra um aglomerado de pessoas, realizado a ação com uma arma automática, uma pistola e uma faca.

Leia mais: Viena sofre seu primeiro ataque terrorista após 40 anos

Posteriormente, uma nova nota foi distribuída pela agência de notícias "Amaq", também pelo aplicativo, com uma foto daquele que seria o responsável pelo ataque, que foi identificado pelo nome de guerra de Abu Dayena al Albani, esse último, que indicaria a origem albanesa.

Mais cedo, as autoridades austríacas informaram que o autor do ataque, que foi abatido por policiais, era Kujtim Fejzulai, nascido na Áustria em 2000, e que é filho de imigrantes albaneses da Macedônia do Norte.

O homem de 20 anos, que havia sido preso e libertado no início de dezembro do ano passado, "por associação terrorista", por tentar viajar para a Síria e se juntar ao EI, ainda de acordo com fontes oficiais do governo do país onde aconteceu o atentado.

Em vídeo veiculado hoje pela "Amaq", é possível ver radical apontado como autor da ação jurando lealdade ao novo líder do Estado Islâmico, Abu Ibrahim al Qurashi, que sucedeu Abu Bakr al Bagdadi, assassinado no ano passado.

A ação, uma série de ataques terroristas cometidos ontem em seis locais no centro de Viena, deixou quatro mortos e 22 feridos, sendo que 14 deles estão em estado grave, embora não estejam correndo risco de falecer.

Nas últimas horas, as forças locais de segurança prenderam 14 pessoas acusadas de diferentes formas de envolvimento com o agressor, que foi abatido por policiais.

Últimas