Estátua do fundador do escotismo é retirada na Inglaterra

Monumento de militar britânico foi temporariamente retirado para que não seja atacado durante os protestos contra o racismo

Estátua do fundador do escotismo é retirada devido a protestos na Inglaterra

Estátua do fundador do escotismo é retirada devido a protestos na Inglaterra

Reuters/Peter Nicholls

A estátua do ex-militar britânico Robert Baden-Powell, que fundou em 1908 o movimento dos escoteiros, foi temporariamente retirada de Poole Quay, no sul da Inglaterra, para que não seja atacada durante os protestos contra o racismo que se proliferam pelo Reino Unido.

A região de Bournemouth, Christchurch e Poole confirmou nesta quinta-feira (11) que retirará momentaneamente o monumento a Baden-Powell, acusado de simpatizar com o fascismo e o nazismo. Já houve ameaças ao monumento.

A líder do conselho local, Vikki Slade, afirmou que, embora "famoso pela criação do movimento escoteiro, há aspectos da vida de Robert Baden-Powell que são considerados menos dignos de celebração".

Slade comentou que a medida visa "minimizar o risco de alterações da ordem pública e comportamentos antissociais", enquanto a população debate "o futuro da estátua".

Em 2010, arquivos do serviço secreto britânico revelaram afinidades de Lord Baden-Powell e que ele foi convidado a conhecer o ditador alemão Adolf Hitler.

A decisão do governo local deixou indignados alguns políticos conservadores da região. A trabalhista Corrie Drew afirmou que Baden-Powell, morto em 1941, "era muito aberto em suas opiniões sobre a homossexualidade", simpatizante declarado "de Hitler e do fascismo" e um "forte racista".

Estátuas polêmicas viram alvos de ataques em protestos antirracistas