Internacional EUA e OTAN acusam Rússia de violar acordo nuclear com novo míssil

EUA e OTAN acusam Rússia de violar acordo nuclear com novo míssil

Embaixadora dos EUA na OTAN disse que seu país está disposto a considerar uma solução 'militar' para destruir mísseis desenvolvidos pelos russos

Kay Hutchinson acusou Rússia de violar tratado de 1987

Kay Hutchinson acusou Rússia de violar tratado de 1987

Reuters / François Lenoir / 2.10.2018

A representante dos EUA na OTAN, embaixadora Kay Bailey Hutchinson, acusou a Rússia de desenvolver em segredo um sistema de mísseis balísticos de médio alcance e disse que seu país pode optar por destruir os equipamentos russos antes que eles se tornem operacionais.

A diplomata fez o anúncio nesta terça-feira (2) durante uma conferência da OTAN em Bruxelas. Segundo ela, o sistema permite lançamentos a partir do solo e viola um acordo nuclear de 1987, assinado pelos EUA e a União Soviética durante a Guerra Fria.

"Eles estão construindo um míssil balístico de médio alcance, violando o acordo INF. É um fato que nós já provamos. Há anos estamos tentando avisar a Rússia que sabemos que eles estão fazendo isso. Mostramos as provas", afirmou a embaixadora, de acordo com a rede de TV CNN.

Acordo da Guerra Fria

O acordo, assinado em 1987 pelo então presidente dos EUA, Ronald Reagan, e o líder soviético Mikhail Gorbachev, previa a eliminação completa de mísseis balístico (capazes de carregar uma ogiva nuclear) com alcance entre 500 e 5.500km.

Com esse alcance, a Rússia poderia lançar um ataque nuclear surpresa contra praticamente todos os países da Europa e também atingir os EUA no Alasca.

Hutchinson disse também que o ideal é uma solução diplomática para o impasse, mas que seu país estaria disposto a considerar um ataque militar para impedir o desenvolvimento desse míssíl.

Impasse diplomático

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, chamou o discurso de Hutchinson de "agressivo e destrutivo", mas não falou sobre o mérito das acusações.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse que a organização está "preocupada com a falta de respeito da Rússia para com seus compromissos internacionais. Eles não nos deram uma resposta plausível sobre esse novo míssil. Todos os aliados concordam que a hipótese mais provável é que o tratado esteja sendo violado".

No mês passado, a Rússia já havia deixado o mundo em alerta, ao realizar um mega exercício militar em conjunto com a China e a Mongólia. Foram os maiores "jogos de guerra" que o país realizou desde o fim da Guerra Fria.

Últimas