EUA e Polônia assinam acordo para estreitar cooperação militar

Com o pacto, parte das 12 mil tropas americanas instaladas na Alemanha deverão ser realocadas no território polonês

Polônia é um dos aliados mais próximos do governo de Donald Trump

Polônia é um dos aliados mais próximos do governo de Donald Trump

EFE

Os governos de Estados Unidos e Polônia assinaram neste sábado (15) um acordo de cooperação militar que permitirá aumentar o número de soldados americanos no país europeu. A medida faz parte de um plano de redistribuição de tropas na Europa elaborado pelo Pentágono.

O acordo foi assinado em Varsóvia pelo ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak, e pelo secretário de Estado americano, Mike Pompeo, na última parte de sua viagem pela Europa Central e Oriental.

"O que é extremamente importante é que não só nos beneficiamos desta cooperação, mas (o acordo) também traz segurança para nossa parte da Europa", afirmou o recém reeleito presidente polonês Andrzej Duda na cerimônia de assinatura.

O acordo estipula que em outubro deste ano será estabelecido na Polônia o quartel-general do Comando Avançado do 5º Corpo do Exército dos EUA, que comandará todas as tropas do país americano no flanco oriental da Otan.

O pacto também estabelece um marco legal para a "presença permanente" das tropas americanas estacionadas na Polônia, tanto a atual como qualquer expansão potencial futura.

Parte das 12 mil tropas americanas instaladas na Alemanha como parte do plano de redistribuição de tropas do Pentágono deverá ser realocada na Polônia.

O governo polonês defendeu a decisão de dividir os custos (incluindo despesas com alimentação e alojamento para os soldados americanos), argumentando que os soldados poloneses também utilizarão a infraestrutura e que todo o país se beneficiará de uma maior segurança.

As estimativas do governo do país europeu são de um custo anual de pelo menos 500 milhões de zlotys (US$ 135,4 milhões).

Com o partido ultraconservador Lei e Justiça (PiS) no poder desde 2015, a Polônia é um dos aliados mais próximos do governo do presidente americano Donald Trump.