EUA enviarão fuzileiros navais a embaixada no Iraque após ataque

Ação ocorreu dois dias após ataques aéreos norte-americanos em território iraquiano contra bases de milícia local apoiada pelo Irã 

Equipe de segurança da Embaixada dos EUA em Bagdá

Equipe de segurança da Embaixada dos EUA em Bagdá

Wissm al-Okili/Reuters

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, culpou o Irã nesta terça-feira (31) por "orquestrar" um ataque à embaixada dos EUA em Bagdá e disse que responsabilizaria Teerã, enquanto autoridades disseram que mais fuzileiros navais devem ser enviados à missão.

"O Irã matou um empreiteiro americano, ferindo muitos. Nós respondemos fortemente, e sempre o faremos. Agora o Irã está orquestrando um ataque à Embaixada dos EUA no Iraque. Eles serão totalmente responsabilizados. Além disso, esperamos que o Iraque use suas forças para proteger a Embaixada", disse Trump no Twitter.

"Para aquelas milhões de pessoas no Iraque que querem liberdade e que não querem ser dominados e controlados pelo Irã, este é o seu momento!", escreveu Trump em outro comentário no Twitter.

Leia mais: Iraque diz que ataques aéreos dos EUA são inaceitáveis e perigosos

Autoridades dos EUA, falando sob condição de anonimato, disseram à Reuters que um pequeno número de fuzileiros navais adicionais deve ir à embaixada dos EUA em Bagdá.

Um funcionário disse que eles deveriam ser cerca de dezenas e estariam lá temporariamente.

Outro funcionário disse que dois helicópteros Apache realizaram uma "demonstração de força" sobre a embaixada.

O Departamento de Estado dos EUA e a Casa Branca não responderam imediatamente a um pedido de comentário sobre se o embaixador norte-americano e outros funcionários foram retirados do complexo da embaixada na capital iraquiana.

Autoridades iraquianas disseram que o embaixador e outras equipes foram retiradas da embaixada para sua segurança nesta terça-feira, quando milhares de manifestantes e milicianos lotaram os portões furiosos com ataques aéreos dos EUA no Iraque.