Internacional EUA: juíza indicada para Suprema Corte se reúne com senadores 

EUA: juíza indicada para Suprema Corte se reúne com senadores 

Amy Coney Barrett, que pode ocupar a vaga deixada pela falecida juíza progressista Ruth Bader Ginsburg, teve uma série de reuniões informais

Reuters - Internacional
Amy Coney Barrett foi indicada por Trump e deve ser aprovada pelo Congresso

Amy Coney Barrett foi indicada por Trump e deve ser aprovada pelo Congresso

Matt Cashore/Notre Dame University/via Reuters

A corrida de senadores republicanos dos Estados Unidos para confirmar Amy Coney Barrett em uma vaga vitalícia na Suprema Corte dos EUA, a terceira indicada do presidente Donald Trump, começou a todo vapor nesta terça-feira (29), quando a juíza conservadora se encontrou com os senadores no Capitólio, começando com o líder da maioria, Mitch McConnell.

Barrett, que Trump anunciou no sábado como sua indicada para o lugar da falecida juíza progressista Ruth Bader Ginsburg, iniciou um dia repleto de reuniões informais em uma sala de conferências do Senado.

Leia mais: Biden pressionará Trump sobre nomeação para Suprema Corte

Diante da oposição dos democratas à indicação, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, que prestigiou a visita de Barrett, disse que a juíza deveria receber uma "audiência respeitosa" do Comitê Judiciário do Senado, seguida por uma confirmação rápida no plenário da Casa.

"Nós realmente acreditamos que a juíza Barrett representa o melhor da América, pessoalmente, em termos de seu grande intelecto e sua grande formação", disse Pence aos repórteres.

Disputa no Senado

Os republicanos têm uma maioria de 53 a 47 no Senado, e a confirmação parece certa, mas os democratas podem tentar tornar o processo o mais turbulento possível diante da iminência da eleição presidencial de 3 de novembro. Se Barrett for confirmada, como se espera, a maioria conservadora do tribunal aumentará para 6 a 3.

Nem Pence nem McConnell respondeu perguntas sobre o cronograma da votação no Senado nem se Barrett deveria se omitir de possíveis casos relacionados à eleição que poderiam chegar à corte no futuro.

No Sétimo Circuito, Barrett mostrou ser uma conservadora confiável. Grupos de defesa do aborto disseram que sua entrada no tribunal poderia ameaçar o veredicto histórico de 1973 que tornou a prática legal em toda o território dos EUA.

Últimas