Era Trump

Internacional EUA lançarão formalmente o Comando Espacial em 29 de agosto

EUA lançarão formalmente o Comando Espacial em 29 de agosto

Força unificada que terá como prioridades uma viagem a Lua em 2023 e uma eventual ida de astronautas a Marte, será lançada na próxima semana

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, fez o anúncio em evento nesta terça

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, fez o anúncio em evento nesta terça

Shawn Thew / EPA / EFE / 20.8.2019

As forças espaciais dos Estados Unidos, que tiveram a criação anunciada no ano passado, serão apresentadas no dia 29 deste mês, segundo revelou nesta terça-feira (20) o vice-presidente, Mike Pence, após reunião com o chefe do Estado Maior Conjunto, o general Joseph Dunford.

"Na próxima semana, formalmente lançaremos o novo comando unificado de combate, que ficará conhecido como Comando Espacial dos Estados Unidos", afirmou o número 2 da política americana, que ainda revelou que o general de quatro estrelas da Força Aérea John Raymond será o primeiro comandante da tropa.

Leia também: Nasa, 60 anos: 6 momentos-chave da história da agência espacial

Pence garantiu que a novidade inicia "o próximo capítulo da história", em referência a política espacial do governo de Donald Trump. As prioridades iniciais são o retorno do homem à Lua, em 2023, e tirar do papel uma missão à Marte.

"Colocamos fim a décadas de cortes e redução orçamentária e renovamos o compromisso dos Estados Unidos com a exploração espacial humana, prometendo ir mais longe e mais rápido do que nunca", disse o vice-presidente.

Em 19 de fevereiro deste ano, Trump explicou que o Comando Espacial funcionará dentro da estrutura da Força Aérea, como havia recomendado o Departamento de Defesa americano.

O governo definiu a tropa como o sexto ramo das Forças Armadas americanas, as outras são Exército, Aeronáutica, Armada, Fuzileiros Navais e Guarda Costeira.

Durante o encontro de hoje com Pence, John Raymond destacou que as 87 unidades do Comando ficarão responsáveis por lançar mísseis de advertência e realizar operações por satélite, assim como oferecer controle e apoio espacial.

"Este passo nos colocará no caminho de manter uma vantagem competitiva", avaliou o novo comandante.

Últimas