Novo Coronavírus

Internacional EUA manterão proibição de viagens da Europa por tempo indeterminado

EUA manterão proibição de viagens da Europa por tempo indeterminado

País lidera o número de casos de coronavírus no mundo, com quase 600 mil infectados, mas Itália e Espanha lideram em número de mortos pela doença

  • Internacional | Da EFE

EUA vão manter restrições de voos vindos da Europa

EUA vão manter restrições de voos vindos da Europa

Leah Millis/Reuters - 13.4.2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na segunda-feira (13) que manterá por tempo indeterminado a proibição da entrada no país de pessoas provenientes da Europa, iniciada há um mês devido à pandemia do novo coronavírus.

"Queremos fazer isso (suspender a proibição) muito rapidamente, mas queremos ter certeza de que tudo está bem. Temos uma proibição muito forte agora e vamos mantê-la assim até que eles (Europa) se curem", disse Trump durante entrevista coletiva na Casa Branca.

O fechamento da porta de entrada para pessoas provenientes do Velho Continente começou no dia 14 de março por um período inicial de 30 dias, que terminou no domingo. Na coletiva, Trump frisou que abertura será feita "no momento certo", mas se recusou a fazer qualquer tipo de previsão.

"Eu não diria que a Itália está indo muito bem no momento, eu não diria que a Espanha está indo muito bem no momento, a França acaba de estender sua ordem de confinamento", destacou o presidente para justificar a decisão.

A Europa, que tem cerca de 900 mil casos de coronavírus, também proibiu a chegada de pessoas provenientes dos EUA, onde há aproximadamente 600 mil casos. Ainda está em vigor o veto à entrada em território americano de pessoas oriundas da China, onde a pandemia teve começo, medida adotada em janeiro.

Isolamento nos EUA

A coletiva foi marcada pela polêmica sobre uma entrevista do médico Anthony Fauci, um dos principais conselheiros de Trump na área de saúde, que admitiu que se o país tivesse entrado em quarentena mais cedo, vidas teriam sido salvas.

Trump retuitou hoje uma postagem pedindo a saída de Fauci com a hashtag "Fire Fauci" ("Fauci demitido", em livre tradução"). Entretanto, logo depois surgiram tuítes com apoio ao médico e tags como "Fire Trump" e "Fire Trump, not Fauci".

Na entrevista, o chefe de governo garantiu estar feliz com o trabalho do conselheiro e afirmou que republicou a mensagem por gostar de polêmicas.

Últimas