Novo Coronavírus

Internacional Europa aposta em confinamentos mais leves para frear covid-19

Europa aposta em confinamentos mais leves para frear covid-19

Na Rússia, quarto país com o maior número de casos no mundo, medidas foram descartadas e França anuncia hoje possível nova quarentena

  • Internacional | Da EFE, com R7

Rússia descarta decretar novo confinamento e toque de recolher

Rússia descarta decretar novo confinamento e toque de recolher

Evgenia Novozhenina/Reuters - 27.10.2020

Superadas as restrições de movimento e os toques de recolher, alguns países da Europa estão voltando ao confinamento, embora com fórmulas mais brandas do que as registradas em março e abril.

Vários países do continente registram novamente altos índices de infecções ou mortes, à medida que o outono avança e as doenças respiratórias se tornam mais agudas.

Rússia

A Rússia registrou nesta quarta-feira (28) um recorde de mortes diárias por covid-19 pelo segundo dia consecutivo desde o início da pandemia, com um total de 346 mortes nas últimas 24 horas, informaram as autoridades de saúde do país. De acordo com estatísticas oficiais, 16.292 novos positivos para coronavírus foram detectados no dia anterior.

Apesar da grande retomada da epidemia nas últimas semanas, em que as infecções diárias mais do que dobraram, as autoridades russas descartaram a adoção de medidas drásticas como confinamento, toque de recolher ou paralisia de setores econômicos.

Com 1.563.976 casos acumulados, a Rússia é hoje o quarto país do mundo em número de coronavírus positivos, atrás dos Estados Unidos, Índia e Brasil.

Alemanha

A chanceler alemã, Angela Merkel, tentará chegar a um acordo na quarta-feira (28) com os governos regionais sobre uma espécie de "confinamento suave" que inclui o fechamento de restaurantes, cinemas, teatros e academias, segundo a mídia alemã.

As novas medidas seriam impostas por quatro semanas e incluem também que no espaço público apenas pessoas de duas famílias podem se reunir.

França decretou toque de recolher noturno e pode decretar novo confinamento

França decretou toque de recolher noturno e pode decretar novo confinamento

Charles Platiau/Reuters - 27.10.2020

França

O presidente francês Emmanuel Macron anunciará novas medidas na quarta-feira para enfrentar a rápida expansão da pandemia, entre as quais um novo confinamento está ganhando cada vez mais força.

Nos últimos dias, vários médicos especialistas têm insistido que o confinamento é a melhor opção, a fim de evitar que as trocas sociais continuem a espalhar o vírus.

Esta intervenção de Macron ocorre apenas duas semanas depois de ele anunciar a imposição de um toque de recolher em Paris e em oito outras grandes áreas metropolitanas.

Cinco regiões do país, incluindo Paris, excedem 60% dos pacientes com covid-19 em terapia intensiva. Na região de Paris, o número já chega a 73%. As autoridades de saúde anunciaram na noite de terça-feira 292 mortes por covid-19 nas 24 horas anteriores, o maior número desde abril.

Nesse período, foram registrados 33.417 novos positivos, portanto o país tem menos de 2,5 mil casos de mais de 1,2 milhão de infectados desde o início da pandemia, enquanto o número total de mortes chega a 35.541.

República Tcheca

A República Tcheca registrou um novo recorde de infecções por covid-19 nas últimas 24 horas, com 15.663 positivos, o maior número desde o início da pandemia, informou o Ministério da Saúde hoje.

No país da Europa Central, de 10,69 milhões de habitantes, existem atualmente 170 mil infecções ativas por coronavírus, das quais 6,2 mil estão hospitalizadas, 900 delas em estado grave.

De hoje até 3 de novembro, há toque de recolher, pelo qual é proibido sair entre 21h e 5h. A República Tcheca ocupa o segundo lugar no índice de infecção acumulado nas últimas duas semanas, com 1.380 casos por 100 mil habitantes, atrás da Bélgica, com 1.391.

Polônia

As autoridades polonesas notificaram hoje um total de 18.820 novos positivos para covid-19, um novo máximo diário na progressão acelerada de infecções e fatalidades, com 236 mortes em 24 horas.

O número total de infecções desde o início da pandemia ultrapassa 299 mil e o número de mortos chega a 4.851. As autoridades polacas já declararam todo o território nacional como "zona vermelha" na sexta-feira da semana passada devido ao elevado risco de infecções.

No último sábado, novas restrições entraram em vigor, como a limitação de reuniões a um máximo de cinco pessoas de diferentes domicílios, enquanto só há aulas presenciais para alunos das primeiras séries do ensino fundamental. Da mesma forma, o uso obrigatório de máscara em espaços públicos foi ampliado.

A situação atual na Polônia contrasta com a evolução moderada da pandemia no país durante a primeira onda de infecções, entre março e abril, quando cerca de 500 casos foram registrados diariamente. Mas a situação mudou radicalmente a partir de setembro.

Bélgica é país mais afetado pela covid-19 na União Europeia

Bélgica é país mais afetado pela covid-19 na União Europeia

Yves Herman/Reuters - 27.10.2020

Bélgica

A Bélgica, o país europeu mais atingido pela segunda onda da pandemia, começa a registrar números de mortes por covid-19 próximos aos índices da primavera passada, quando ultrapassou cem mortes em um único dia.

A incidência cumulativa é 1.448 casos em 100 mil pessoas em 14 dias, com picos de 2.753 em Liège ou 1.938 em Bruxelas, e uma taxa de positividade nacional de 22,5%.

O governo endureceu as medidas na terça-feira, limitando o horário de funcionamento dos centros culturais, actividades desportivas, estabelecendo aulas telemáticas obrigatórias nas universidades, exigindo que uma única pessoa vá às compras ou limitando as visitas a asilos.

Reino Unido

Os casos de Covid-19 continuam a aumentar exponencialmente no Reino Unido, onde há mais de mil hospitalizações diárias por coronavírus, dez vezes mais do que a taxa observada no final do verão, de acordo com os dados mais recentes.

O Reino Unido relatou 367 novas mortes por covid-19 na terça-feira, o maior número diário registrado desde o final de maio, enquanto 22.885 novas infecções e 1.152 internações hospitalares foram detectadas em um único dia.

Quase oito milhões de pessoas na Inglaterra estarão sob o mais rígido regime de restrições que o governo britânico vai impôr a partir desta quinta-feira, quando a cidade de Nottingham (norte) entrará no maior nível de alerta.

Isso significa fechar bares que não servem comida e proibir reuniões sociais, mas não impõe restrições de mobilidade.

Bulgária

As autoridades búlgaras ordenaram o cancelamento das aulas presenciais em universidades e centros de ensino secundário desde quinta-feira, entre outras medidas para impedir a propagação do coronavírus depois de acorrentar o país vários dias com um número recorde de infecções.

Está previsto o cancelamento de espetáculos em geral, inclusive teatros e cinemas, exceto shows, que são permitidos, entretanto, desde que o número de espectadores não ultrapasse 30% da capacidade.

Estas novas restrições, que incluem também o fechamento de locais de diversão noturna - como baladas e bares - entram em vigor na quinta-feira, e vigoram pelo menos até 12 de novembro.

O país dos Balcãs, que com cerca de 7 milhões de habitantes, vem registrando um número recorde de infecções diárias por coronavírus e mortes por covid-19 há dias. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, foram registrados 2.569 casos novos nas últimas 24 horas, marca atípica até o momento.

Portugal

A partir de hoje, Portugal obriga o uso de máscara na rua, desde que não seja possível manter a distância social recomendada, para todas as pessoas com mais de dez anos.

No último mês e meio, as infecções dispararam em Portugal, especialmente na região Norte e na área de Lisboa, enquanto foram registados 3.299 novos positivos na terça-feira - o segundo pior dia da pandemia - e 28 mortes.

A pressão hospitalar também aumentou exponencialmente com um total de 1.747 pacientes internados na enfermaria e 253 na terapia intensiva.

Últimas