Europa tem recorde de casos de covid e governos estudam restrições

Na Rússia e na República Tcheca, números de novos casos dispararam e governo da França e Itália anunciaram novas medidas para conter 2ª onda

Países europeus vão adotar novas medidas de restrição para conter pandemia

Países europeus vão adotar novas medidas de restrição para conter pandemia

Fabrizio Bensch/Reuters - 12.10.2020

A segunda onda do coronavírus atinge duramente vários países europeus, como a Rússia, onde é registrado um novo recorde de infecções, enquanto a Itália implementa medidas mais restritivas e a França se prepara para adotar novas.

Além disso, o Conselho da União Europeia adotou nesta terça-feira (13) uma "recomendação" para os Estados membros basearem suas restrições a viagens dentro da UE com base na situação epidemiológica, que inclui um código de cores por zonas.

Alemanha

O número de novas infecções diárias ultrapassou 4 mil casos na Alemanha na terça-feira, em meio a um acalorado debate sobre a proibição de viajantes de áreas de risco do país de permanecerem temporariamente em regiões controladas.

O Instituto Robert Koch (RKI), competente no assunto na Alemanha, notificou hoje 4.122 novos casos de coronavírus, um aumento em relação aos 2.467 casos de segunda-feira (12), embora essa evolução seja considerada normal, visto que a compilação de dados desacelera em algumas regiões no final de semana.

O número de mortes em 24 horas foi de 13, elevando o total de mortes por covid-19 no país desde o início da pandemia a 9.634, com um total de 329.453 infecções, das quais 279.300 são pacientes recuperados.

O fator "R" de reprodução é 1,29 - ou seja, cada pessoa infectada transmite o vírus a uma média de 1,29 pessoas.

Rússia teve recorde de casos diários de covid-19

Rússia teve recorde de casos diários de covid-19

Maxim Shemetov/Reuters - 12.10.2020

Rússia

A Rússia registrou um novo recorde de infecções diárias de coronavírus, com 13.868 casos nas últimas 24 horas, além de 244 mortes, de acordo com as autoridades de saúde do país relatadas hoje.

Apesar do grande aumento no número de casos nas últimas semanas, o governo russo está relutante em adotar medidas estritas em nível nacional, como confinar a população ou paralisar certas atividades econômicas.

Moscou, onde escolas foram fechadas, doentes crônicos e maiores de 65 anos foram aconselhados a ficar em casa e o trabalho remoto é promovido, continua sendo o principal foco da pandemia no país com um total de 339.431 positivos para coronavírus e 4.618 mortes desde o início da epidemia.

A situação se agravou em São Petersburgo, segunda cidade da Rússia mais afetada, e que nas últimas 24 horas registrou 557 infecções, novo recorde de casos diários, e 34 mortes.

Governo italiano anuncia novas medidas de restrição

Governo italiano anuncia novas medidas de restrição

Guglielmo Mangiapane/Reuters - 13.10.2020

Itália

Os novos casos de coronavírus na Itália, cerca de 5,5 mil por dia, começam a preocupar o governo, que decretou algumas novas medidas como o fechamento de restaurantes à meia-noite, e às 21h, caso não haja serviço de mesa.

A medida mais surpreendente e que está gerando as reações mais negativas é a proibição dos clássicos "jogos" de esportes de contato, como futebol ou basquete, entre amigos durante a semana.

As medidas constam em um novo Decreto da Presidência do Conselho de Ministros (Dpcm), assinado esta manhã e com validade de 30 dias. Por enquanto, o Governo de Giuseppe Conte reiterou que qualquer tipo de confinamento nacional como o da primavera passada está descartado.

Também será proibida a realização de festas privadas em locais públicos e discotecas, tanto ao ar livre como dentro de casa. Festas como batizados, casamentos em restaurantes e funerais com até 30 pessoas seguem permitidos.

Polônia

O primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki foi colocado em quarentena depois de entrar em contato com uma pessoa que testou positivo para covid-19.

Morawiecki indicou em sua conta no Facebook que continuará liderando suas tarefas governamentais e que mantém contato direto com os colaboradores e membros de sua equipe.

Nas últimas 24 horas, foram registradas 5.068 novas infecções, informaram as autoridades sanitárias do país. No sábado, 5,3 mil casos de coronavírus foram relatados, a maior marca em um dia em toda a pandemia e o quarto máximo diário consecutivo.

Governo francês vai anunciar medidas nesta terça-feira (13)

Governo francês vai anunciar medidas nesta terça-feira (13)

Gonzalo Fuentes/Reuters - 5.10.2020

França

O presidente francês Emmanuel Macron prepara novas medidas restritivas com seu governo na terça-feira para conter a propagação do coronavírus, que pode incluir algum tipo de toque de recolher noturno nas áreas mais afetadas. Macron divulgará as medidas esta noite, em um anúncio pela televisão.

A ministra da Habitação, Emmanuelle Wargon, deixou em aberto o leque de medidas possíveis e lembrou que o primeiro-ministro, Jean Castex, indicou na segunda-feira (12) que tudo deve ser feito para evitar o regresso ao confinamento geral.

Castex insistiu que "nada pode ser excluído quando se olha para a situação dos hospitais" quando questionado sobre a possibilidade de impor confinamentos locais.

Outra medida possível - inicialmente filtrada pelo jornal Le Point e confirmada por outros meios - é um toque de recolher que impeça as saídas noturnas, que seria imposto em algumas das áreas urbanas que estão em alerta máximo.

Na segunda-feira, o órgão de saúde pública registrou 8.505 novas infecções, número bem menor do que nos dias anteriores, mas que não é surpreendente, pois corresponde ao fim de semana, quando são feitos muito menos exames.

Número de casos na República Tcheca dispararam

Número de casos na República Tcheca dispararam

David W Cerny/Reuters - 12.10.2020

República Tcheca

De vitrine da Europa na luta contra a pandemia do coronavírus, com taxas de infecção insignificantes na primavera, a República Tcheca passou a liderar o ranking de infecção no outono, algo que os especialistas atribuem à imprevisibilidade e populismo dos políticos.

Com uma taxa de infecções acumuladas nas duas últimas semanas de 493,1 por 100 mil habitantes, o país da Europa Central está bem à frente da Bélgica (402,5) e da Espanha (308,1).

Os responsáveis ​​estão preocupados com o fato de que o sistema hospitalar pode entrar em colapso nas próximas semanas, já que dos quase 6o mil casos positivos atuais, mais de 2,1 mil estão hospitalizados, com 438 em estado grave.

Governo britânico ignorou conselhos de novo isolamento

Governo britânico ignorou conselhos de novo isolamento

Toby Melville/Reuters - 23.3.2020

Reino Unido

Assessores científicos do governo britânico questionaram a estratégia do primeiro-ministro Boris Johnson contra a pandemia e recomendaram no mês passado um "curto" isolamento nacional para conter o vírus, de acordo com documentos oficiais que vazaram pela imprensa na terça-feira.

Três semanas atrás, o líder conservador foi recomendado a introduzir "imediatamente" duras restrições nacionais para controlar a pandemia, incluindo um breve isolamento nacional de duas a três semanas para "quebrar o circuito" da propagação do coronavírus.

Em vez de seguir esses conselhos, Johnson optou por medidas mais frouxas, como a chamada "regra dos seis" - que proíbe reuniões sociais de mais de seis pessoas - e o avanço do horário de fechamento dos pubs, sob pressão de seu dono da Economia, Rishi Sunak, a fim de evitar danos excessivos à atividade econômica.

Espanha

Na Espanha, o ministro da Saúde, Salvador Illa, assegurou que não existem circunstâncias para levantar o estado de alarme em vigor desde a última sexta-feira na Comunidade de Madri, a pedido das autoridades da região, que ainda precisam controlar e diminuir o número de casos.

O ministro fez questão de justificar o estado de alarme para dar cobertura jurídica e segurança às medidas de confinamento perimetral de nove municípios da comunidade, inclusive a capital, com mais de 4,5 milhões de habitantes.

Segundo os últimos dados, Madrid continua com uma incidência cumulativa de mais de 500 casos por 100 mil habitantes, cerca de 20% de resultados positivos nos exames diagnósticos e 40% de ocupação da UTI, disse o ministro.