Ex-assessor de Trump é considerado culpado de mentir ao Congresso

Roger Stone ainda foi declarado culpado de 6 outras acusações no caso que envolve o vazamento de e-mails da campanha de Hillary Clinton em 2016

Roger Stone foi assessor de Donald Trump durante a campanha presidencial

Roger Stone foi assessor de Donald Trump durante a campanha presidencial

REUTERS/Yara Nardi/15.11.2019

Roger Stone, ex-colaborador do presidente Donald Trump, foi considerado culpado nesta sexta-feira (15) de mentir ao Congresso americano e de 6 outras acusações — incluindo obstrução de Justiça e manipulação de testemunhas — no caso que envolve o vazamento de e-mails que prejudicou a campanha da democrata Hillary Clinton à presidência dos Estados Unidos em 2016. As informações são da rede de notícias americana CNN.

Leia também: Como um telefonema ouvido por acaso pode complicar presidente americano em processo de impeachment

Stone trabalhou brevemente como assessor de Trump durante a campanha presidencial, embora tenha continuado trabalhando de maneira informal depois de deixá-la em 2016, segundo vários veículos de imprensa.

No Twitter, o presidente dos Estados Unidos se pronunciou sobre a decisão da Justiça. Ele sugeriu que a condenação faz parte de um "padrão duplo de julgamento" nunca antes visto na história americana. 

Interferência russa

As acusações contra Stone são parte da investigação comandada pelo promotor especial Robert Mueller, designado para apurar de maneira independente se houve conspiração entre integrantes da campanha de Trump com o governo da Rússia nas eleições de 2016.

Na denúncia contra Stone, Mueller acusou o ex-assessor de Trump de ter mentido para os congressistas da Comissão de Inteligência da Câmara dos Representantes e de ter pressionado outras testemunhas para também mentir ao comitê, que realiza uma investigação própria do caso.

Segundo a acusação, integrantes da campanha de Trump pediram que Stone entrasse em contato em 2016 com a "Organização 1", entidade que, segundo a agência de notícias Reuters, dá indícios de ser o Wikileaks, responsável por vazar e-mails que prejudicaram a democrata Hillary Clinton nas eleições.