Era Trump

Internacional Ex-assessor de Trump, Steve Bannon se entrega ao FBI 

Ex-assessor de Trump, Steve Bannon se entrega ao FBI 

Ele havia sido indiciado na sexta-feira por não colaborar com a comissão do Congresso que investiga a invasão ao Capitólio

  • Internacional | Do R7, com Reuters

Bannon se apresentou ao FBI em Washington nesta segunda-feira (15)

Bannon se apresentou ao FBI em Washington nesta segunda-feira (15)

Kevin Lamarque / Reuters - 15.11.2021

Steve Bannon, o ex-assessor e ex-coordenador de campanha do ex-presidente norte-americano Donald Trump, se apresentou ao FBI na manhã desta segunda-feira (15) na sede do órgão em Washington. Na sexta, ele foi indiciado por duas acusações e, desde então, estava com um mandado de prisão em aberto.

Ele responde na Justiça por ter se negado a depor e também por não fornecer documentos à comissão de investigação do Congresso dos EUA que investiga o ataque ao Capitólio, sede do Legislativo, em 6 de janeiro deste ano, por apoiadores de Trump. Eles invadiram o prédio durante a sessão que confirmou a eleição de Joe Biden como presidente norte-americano.

Cada uma das acusações tem pena mínima de 30 dias e máxima de um ano de prisão. Bannon terá uma audiência de instrução já na tarde desta segunda, com um juiz federal indicado por Trump, Carl Nichols.

Incentivo a testemunhas

O ex-assessor de Trump é uma das mais de 30 pessoas próximas ao ex-presidente republicano que foram convocadas pelo Comitê Selecionado da Câmara dos Representantes dos EUA para testemunhar sobre o que aconteceu no 6 de janeiro, quando milhares de pessoas invadiram o edifício do Capitólio em uma tentativa de impedir a certificação formal do Congresso da eleição de Joe Biden.

Os investigadores da Câmara esperam que a ação contra Bannon motive outras testemunhas, como o ex-chefe de gabinete Mark Meadows, a depor. Bannon se recusou, citando a insistência de Trump - já rejeitada por um juiz - de que ele tem o direito de manter confidencial o material solicitado sob uma doutrina legal chamada executive privilege .

O deputado americano Adam Schiff, presidente democrata do Comitê de Inteligência da Câmara e membro do painel de 6 de janeiro, disse acreditar que a prisão levaria outros a abandonar a decisão de desafiar as ordens do Congresso.

"Isso terá um efeito de foco muito forte na tomada de decisões", disse Schiff ao programa "Meet the Press" da NBC, no domingo.

Últimas