Protestos contra o racismo

Internacional Ex-policial acusado da morte de George Floyd é solto sob fiança

Ex-policial acusado da morte de George Floyd é solto sob fiança

Derek Chauvin colocou à disposição da justiça de Minneapolis, nos Estados Unidos, US$ 1 milhão para responder ao processo em liberdade

  • Internacional | Do R7, com EFE e Reuters

Chauvin estava preso desde o fim de maio

Chauvin estava preso desde o fim de maio

Hennepin County Sheriff's Office/via Reuters

O ex-integrante da polícia de Minneapolis, nos Estados Unidos, Derek Chauvin, acusado do assassinato do homem negro George Floyd, deixou a prisão nesta quarta-feira, após o pagamento de fiança.

De acordo com a imprensa americana, a expectativa é que Chauvin se apresente à justiça para julgamento em março do próximo ano, após o desembolso US$ 1 milhão (R$ 5,6 milhões), para que pudesse responder em liberdade às acusações.

Chauvin, de 44 anos, foi preso em 29 de maio, quatro dias depois de se ajoelhar sobre o pescoço de Floyd durante quase nove minutos e causar sua morte. Ele é acusado de homicídio doloso.

Três outros ex-policiais de Minneapolis — J. Alexander Kueng, Tou Thao e Thomas Lane — foram acusados de cumplicidade no caso. Nenhum deles se pronunciou quanto à sua culpabilidade.

Consequências

A morte de Floyd, de 46 anos, desencadeou protestos de âmbito nacional exigindo justiça racial e reformas das polícias.

No início deste junho, o Conselho Municipal de Minneapolis aprovou por unanimidade uma resolução para criar um sistema de segurança pública liderado pela comunidade para substituir o departamento de polícia.

A medida veio dias depois de uma maioria do conselho à prova de veto dissolver o departamento de polícia na esteira da morte de Floyd.

A decisão de "desfinanciar a polícia", como alguns ativistas a batizaram, antecede os protestos atuais, mas obteve mais apoio após uma série de mortes recentes de afro-norte-americanos nas mãos de policiais brancos que foram flagradas em vídeo.

Últimas