Exames não detectam toxinas no organismo de opositor russo

Alexei Nalvany foi levado ao hospital após sofrer uma reação alérgica. Diretor do hospital informou que nenhuma toxina foi encontrada

Exames não detectam substâncias tóxicas no organismo de Navalny

Nalvany recebeu alta e foi levado de volta à prisão

Nalvany recebeu alta e foi levado de volta à prisão

Tatyana Makeyeva/Reuters - 1.7.2019

Os exames médicos realizados no líder opositor russo, Alexei Navalny, não revelaram a presença de substâncias químicas em seu organismo, informou o diretor do hospital Sklifosofski de Moscou, Alexey Tokarev, nesta quarta-feira (31).

"O material biológico extraído do paciente Alexei Navalny foi levado ao principal laboratório químico-toxicológico do Instituto de Urgências Sklifosofski do Hospital 64 da cidade. As análises realizadas não constataram restos de substâncias tóxicas", disse Tokarev à imprensa.

O dirigente do principal centro de urgências de Moscou elogiou, além disso, a capacidade do laboratório, onde foram analisadas as amostras de Navalny "para encontrar substâncias estranhas no corpo" humano.

Horas antes, os defensores de direitos humanos também confirmaram que o líder opositor russo, que sofreu uma "reação alérgica aguda" na prisão no último dia 28, "está muito melhor".

"Navalny disse que se sente muito melhor, mas ainda tem sintomas da reação alérgica", afirmou Ivan Melnikov, secretário da comissão que vela pelos direitos dos presos em Moscou.

Navalny foi internado no domingo em um hospital, onde foi diagnosticado com "dermatite de contato".

Sua médica pessoal, Anastasia Vasilieva, afirmou que o político tinha sido intoxicado com uma "substância química" não estabelecida.

O opositor negou categoricamente sofrer de alergias e afirmou que já foram solicitadas as gravações das câmeras de segurança de sua cela para verificar se alguém mexeu em seus pertences na sua ausência.

Após permanecer pouco mais de 24 horas no hospital, Navalny recebeu alta na segunda-feira e foi enviado novamente à prisão, onde cumpre uma detenção de 30 dias pela convocação da manifestação não autorizada do sábado passado.