Novo Coronavírus

Internacional Experiência com crises ajuda Irã a lidar com demandas da covid-19

Experiência com crises ajuda Irã a lidar com demandas da covid-19

Convivendo com fortes sanções econômicas, país focou recursos para produzir equipamentos necessários ao combate da pandemia de coronavírus

Fábrica de máscaras inaugurada em abril, em Eshtehard, cidade ao norte do Irã

Fábrica de máscaras inaugurada em abril, em Eshtehard, cidade ao norte do Irã

Stringer / EFE-EPA - 14.4.2020

Apesar de sofrer duras sanções internacionais e dificuldades econômicas, o Irã mostrou seu potencial diante da pandemia de covid-19 com a produção em massa de máscaras, respiradores e testes de diagnóstico. Agora, depois de atender às necessidades internas, as autoridades afirmam que o país se prepara para exportar.

"Aprendemos a arte de viver em crise há anos", disse o influente Ali Shamjani, secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, recentemente, resumindo a experiência de um país acostumado a trabalhar apenas com seus próprios recursos.

Nas últimas quatro décadas, o Irã superou uma revolução religiosa em 1979, uma guerra de oito anos com o Iraque (1980-88), desastres naturais mortais, como terremotos, e um severo embargo econômico por parte do Ocidente. Agora, enfrenta novas sanções dos Estados Unidos que afundaram a economia e dificultam os esforços para combater o covid-19, que causou mais de 6.200 mortes e 97.000 infecções no país, apesar de estar em declínio há um mês.

Todos esses eventos, no entanto, incentivaram a indústria iraniana "a ter boas alternativas e a se adaptar à situação para enfrentar qualquer crise", disse Ahmad Behfar, diretor executivo da empresa iraniana Ehya Darman Pishrafteh, à agência Efe.

Autossuficiência

A vice-presidente iraniana de Ciência e Tecnologia, Surena Satarí, diz que o atual nível de produção de equipamentos e materiais hospitalares permite "satisfazer a necessidade interna do país", de acordo com , que enfatizou que "quase não existe produto" para combater o coronavírus SARS-CoV-2 que não seja fabricado localmente.

"O importante é que temos empresas com um nível de tecnologia capaz de projetar e produzir em massa um produto diante de uma situação nova e até sem precedentes no mundo", disse a vice-presidente.

A inovação tem sido diversificada. Desde um dispositivo apresentado pela Guarda Revolucionária para detectar locais e pessoas infectados em um raio de 100 metros até a investigação do prestigiado Instituto Pasteur para obter uma vacina.

O Irã teve que agir muito rápido para fazer estes investimentos, porque as sanções dos EUA dificultam as importações. Embora as drogas sejam isentas, o fato de o sistema bancário iraniano ser sancionado desencoraja muitas empresas de fazer negócios com o país persa.

Para aliviar essa crise, vários países e organizações internacionais fizeram doações significativas para o Irã, e a Europa finalmente utilizou um canal de pagamento especial projetado para contornar as sanções dos EUA e exportar suprimentos médicos para Teerã.

Para combater a pandemia e suas repercussões econômicas, as autoridades iranianas solicitaram um empréstimo de US$ 5 bilhões ao FMI (Fundo Monetário Internacional). O recebimento ainda está no ar devido em parte à oposição dos EUA.

Pressão extra associada a sanções que, de acordo com a Human Rights Watch, limitaram drasticamente a capacidade do país de financiar importações humanitárias, incluindo drogas e equipamentos médicos.

Do suprimento da demanda interna à exportação

Irã enviou carregamento de equipamentos para o Líbano

Irã enviou carregamento de equipamentos para o Líbano

Wael Hamzeh / EFE-EPA - 4.5.2020

No início do surto, na terceira semana de fevereiro passado, a situação era caótica e havia escassez de máscaras e desinfetantes em farmácias e hospitais, o que também relatou a falta de equipamento de proteção individual, como máscaras, luvas e jalecos.

No entanto, a escassez não durou muito. Vários médicos que lutavam na linha de frente contra a covid-19 nos hospitais de Teerã confirmaram à Efe que logo começaram a receber todo o equipamento de proteção necessário e testes de diagnóstico suficientes.

Eles também indicaram que as unidades de terapia intensiva não entraram em colapso e que não houve falta de respiradores, situação bastante diferente daquela vivida em muitos outros países, incluindo os mais desenvolvidos.

SAIBA MAIS: Irã inaugura linha de produção de testes para coronavírus

As autoridades iranianas estão exportando líquido desinfetante e garantem que em breve poderão vender outros produtos anti-COVID-19 no exterior, incluindo respiradores e testes de diagnóstico. De fato, o Ministério da Saúde já concedeu sua primeira licença para a exportação de kits de testes sorológicos.

Apaixonado por esses avanços, o presidente iraniano, Hasan Rohaní, enfatizou que muitos países acreditavam que dois anos de sanções "destruiriam" o Irã e agora estão "impressionados" com sua capacidade de exportar suprimentos médicos.

Respiradores e testes

A Ehya Darman Pishrafteh, que é uma empresa privada de gerência familiar, fabrica respiradores artificiais e máquinas de tomografia computadorizada e para anestesia há uma década, embora em tempos de pandemia tenha mudado suas prioridades nas linhas de produção.

"Diante do problema do coronavírus, multiplicamos nossa produção por 6: de 5 respiradores diários, passamos para 30. Para isso, diminuímos nossa produção nas linhas dedicadas às máquinas de anestesia e tomografia", explicou Behfar.

Enquanto exibia um modelo de seus ventiladores mecânicos, que atendem aos padrões europeus, em seu escritório em Teerã, o diretor executivo disse que 2.000 respiradores foram produzidos pelo Ministério da Saúde iraniano dentro de dois meses.

Laboratório da Pishtaz Teb Zaman, que produz testes para covid-19 no Irã

Laboratório da Pishtaz Teb Zaman, que produz testes para covid-19 no Irã

Marina Villén / EFE - 4.5.2020

As prioridades também mudaram na empresa Pishtaz Teb Zaman, especializada desde 1998 em dispositivos médicos para diagnóstico in vitro e pesquisa clínica, entre outros.

Abas Ramí, do setor de pesquisa e desenvolvimento da empresa, disse à Efe que "quando o coronavírus se espalhou pelo mundo", eles começaram a analisá-lo para produzir seus próprios kits de diagnóstico.

"Nós os desenvolvemos com nossa tecnologia. Primeiro, projetamos o kit molecular de PCR, que foi muito bem-sucedido e já chegou ao mercado, e depois começamos a trabalhar em testes sorológicos que medem anticorpos", explicou.

A Pishtaz Teb Zaman está produzindo cerca de 400 mil testes de PCR por mês e sua produção sorológica pode chegar a 8 milhões por mês, de acordo com dados da empresa. A indústria é a principal produtora desses kits no Irã, mas um total de seis empresas obtiveram o certificado.

Últimas