Explosões de carros-bomba em cidade curda na Síria matam 4 civis

Ação foi reivindicada pelo Estado Islâmico, que teria retomado atentados na região; além das vítimas fatais, outras 9 pessoas ficaram feridas

Atentado foi reivindicado pelo Estado Islâmico

Atentado foi reivindicado pelo Estado Islâmico

Rodi Said / Reuters - 11.10.2019

As explosões de dois carros-bomba na cidade de Qamishli, na Síria, um dos alvos da ofensiva do exército da Turquia na região do Curdistão que faz parte do país vizinho, mataram quatro pessoas, em ação que foi reivindicada pelo Estado Islâmico.

O Centro de Coordenação e Operações Militares das Forças da Síria Democrática (FSD), aliança de milícias majoritariamente curdas, informou, através do Twitter, que além das quatro vítimas, nove pessoas ainda ficaram feridas.

De acordo com o Centro de Informação de Rojava, que divulga informações sobre os grupos curdos, relatou que um dos veículos era identificado como pertencente ao governo sírio e explodiu a partir de uma detonação remota, já o segundo tinha um suicida ao volante.

De acordo com a organização, três veículos das FSD que transportavam munição estavam nos arredores, o que aumentou a intensidade da explosão.

Estado Islâmico reivindicou ataque a cidade curda

Poucas horas depois, através do aplicativo Telegram, o Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria do atentado, em mensagem que não tem autenticidade comprovada.

Ainda de acordo com o grupo jihadista, "dezenas de integrantes das milícias curdo sírias morreram", sem, no entanto, especificar o número de vítimas.

Na quarta-feira, o exército turco iniciou uma ofensiva aérea e terrestre no nordeste da Síria contra a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG), considerada por Ancara uma organização terrorista.