Família de jornalista saudita morto em 2018 perdoa assassinos

Jamal Kashoggi foi morto na Turquia e corpo nunca foi encontrado. Na lei islâmica, penas de morte podem ser suspensas com perdões

Família perdoa assassinos de Jamal Kashoggi

Família perdoa assassinos de Jamal Kashoggi

EFE/Ali Haider/08.05.2012

O filho do jornalista saudita Jamal Kashoggi, assassinado em 2018 no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, anunciou nesta sexta-feira (22) que a família perdoou os assassinos do pai.

“Nesta noite abençoada deste mês abençoado (do Ramadã), nós lembramos Deus dizendo: Se uma pessoa perdoa e se reconcilia, sua recompensa está com Allah. Portanto, nós, os filhos do mártir Jamal Kashoggi, anunciamos que perdoamos aqueles que mataram o nosso pais, buscando a recompensa de Deus”, disse.

Segundo as leis islâmicas, sentenças de morte na Arábia Saudita podem ser suspensas se a família da vítima perdoar os assassinos, mas ainda não se sabe como o perdão dos filhos de Kashoggi vai afetar o caso.

O jornalista, que era conhecido por ser crítico do governo saudita, foi visto pela última vez no consulado na Turquia buscando documentos para se casar com a namorada. Ele foi morto dentro do local, teve o corpo esquartejado e os restos nunca foram encontrados.

O assassinato repercutiu pelo mundo e a ONU ajudou nas investigações, apontando que o príncipe saudita, Mohammed bin Salman, estaria envolvido no crime e teria pedido a execução do jornalista.

O perdão dos filhos de Kashoggi também não foi bem recebido por outros jornalistas e pessoas envolvidas no caso, que pedem justiça pelo assassinato, que teria tido motivações políticas.