Internacional Familiares de autor de ataque terrorista em Paris são presos

Familiares de autor de ataque terrorista em Paris são presos

Em 2015, atentado deixou 90 mortos em casa de shows da capital francesa. Entre os detidos estão a mãe do jihadista

AFP
Familiares de autor de atentado em casa de shows francesa foram presos

Familiares de autor de atentado em casa de shows francesa foram presos

REUTERS/Christian Hartmann

Seis parentes de um dos autores do atentado terrorista em Paris, em 2015, foram presos na França nesta terça-feira (8), segundo fontes judiciais. O ataque na casa de shows Bataclan, onde o jihadista esteve, deixou 90 mortos.

"Seis pessoas foram presas por 'financiamento do terrorismo' em uma investigação preliminar da Promotoria Nacional Antiterrorista", disse a fonte.

“Este procedimento está relacionado com suspeitas de transferência de fundos para Foued Mohamed-Aggad e sua esposa em 2014-2015” e as pessoas detidas “pertencem ao círculo familiar” do casal, acrescentou.

Depois de viver na Síria e no Iraque, Foued Mohamed-Aggad voltou ilegalmente à França em 2015 e foi morto, com dois cúmplices, no ataque ao Bataclan em Paris. Em 13 de novembro, vários ataques na França deixaram 130 mortos (90 no Bataclan) e mais de 350 feridos.

Agora, quase seis anos depois, "cinco pessoas foram presas em Estrasburgo e na região de Wissembourg (Alsácia, nordeste da França), incluindo a mãe de Foued Mohamed-Aggad e uma tia", disse uma fonte policial.

A sexta pessoa foi presa em Gironde (sudoeste), segundo fontes.

Do exterior, Foued Mohamed-Aggad manteve contatos regulares com sua mãe e família, mas no final de agosto de 2015 cortou laços dizendo que iria "morrer um mártir", segundo os serviços de inteligência franceses.

“Nas conversas com a mãe, ele indicou que se tivesse que voltar à França, seria apenas para cometer um atentado”, segundo a investigação sobre os atentados de 13 de novembro.

Quanto à sua esposa Hadjira, “a jovem franco-argelina dera à luz uma menina no Iraque” em agosto de 2015 e “teria morrido com o filho no início de 2018 durante um bombardeio”, segundo o diário Dernières nouvelles d ' Alsácia.

O julgamento pelos atentados de 13 de novembro de 2015 na França será aberto em setembro em Paris.

Últimas