FBI não viu envolvimento de antifascistas em violência nos EUA

Segundo relatório sigiloso obtido pelo site The Nation, o órgão de inteligência não encontrou ligações de grupos 'antifa' com protestos violentos

FBI não achou ligações de antifas com violência do último domingo

FBI não achou ligações de antifas com violência do último domingo

Jim Bourg / Reuters - 31.5.2020

O FBI, principal órgão de inteligência doméstica dos EUA, não encontrou ligações de grupos antifascistas — os chamados "antifas" — com atos violentos ocorridos nos protestos contra o racismo no país no último domingo (31). Naquele dia, o presidente Donald Trump ameaçou denominar os grupos como organizações terroristas.

Leia também: EUA: Supremacistas se passam por antifas online para incitar violência

A informação foi divulgada pelo repórter Ken Klippenstein, do site The Nation, que obteve com exclusividade um relatório sigiloso do escritório regional do FBI em Washington, capital dos EUA. O material foi entregue por um agente, que não foi identificado.

Leia também: Pesquisa nos EUA mostra apoio a protestos e reprovação a Trump

No documento, o órgão indica que "não há elementos de inteligência que indiquem envolvimento/presença antifa" nos eventos violentos de 31 de maio. A conclusão foi tirada combinando informações entregues por informantes, monitoramento de redes e outras fontes.

Extremistas infiltrados

Além disso, o FBI também investiga a presença de elementos de grupos da extrema-direita em meio aos protestos e alerta que um grupo em particular, que não teve o nome divulgado para preservar investigações, "clamava que provocadores da extrema-direita atacassem agentes federais e usassem armas automáticas contra os manifestantes".

O documento lista também que, entre atos violentos registrados no domingo, como tijolos jogados contra policiais e uma mochila cheia de querosene encontrada próxima a um transformador de energia, não havia nada que indicasse envolvimento de antifascistas.

A própria ameaça de Trump de designar grupos antifas como organizações terroristas contém problemas legais. Os grupos são organizados localmente e não têm uma liderança centralizada. Além disso, o governo não tem poder para designar um grupo local como terrorista, apenas organizações estrangeiras.

Veja imagens dos protestos desta terça