"Fidel acreditou em uma sociedade mais justa", afirma Dilma após morte de ex-líder cubano

Ex-presidente publicou carta em que lembra Fidel como mobilizador de forças populares

"Fidel acreditou em uma sociedade mais justa", afirma Dilma após morte de ex-líder cubano

A ex-presidente Dilma Rousseff lamentou neste sábado (26) a morte do ex-líder cubano Fidel Castro, quem definiu como "um dos mais importantes políticos contemporâneos". 

"Sonhadores e militantes progressistas, todos que lutamos por justiça social e por um mundo menos desigual, acordamos tristes neste sábado, 26 de novembro. A morte do comandante Fidel Castro, líder da revolução cubana e uma das mais influentes expressões políticas do século 20, é motivo de luto e dor", escreveu a petista em uma carta.

De acordo com Dilma, "Fidel foi um dos mais importantes políticos contemporâneos e um visionário que acreditou na construção de uma sociedade fraterna e justa, sem fome nem exploração, numa América Latina unida e forte".

"Um homem que soube unir ação e pensamento, mobilizando forças populares contra a exploração de seu povo. Foi também um ícone para milhões de jovens em todo o mundo", elogiou Dilma, assinando a carta com a expressão "Hasta siempre, Fidel".

Fidel Castro morreu na noite de sexta-feira (25), às 22h29 de Havana. Ele tinha 90 anos de idade e estava afastado do poder desde 2008 por motivos de saúde. Dilma se reuniu com Fidel em 2014, na capital cubana, quando a petista ainda ocupava a Presidência do Brasil. Na ocasião, os dois conversaram sobre o Programa Mais Médicos e sobre as obras do Porto Mariel.

Leia a carta, que inclui ainda trecho de texto do dramaturgo alemão Bertold Brecht:

"Sonhadores e militantes progressistas, todos que lutamos por justiça social e por um mundo menos desigual, acordamos tristes neste sábado, 26 de novembro. A morte do comandante Fidel Castro, líder da revolução cubana e uma das mais influentes expressões políticas do século 20, é motivo de luto e dor.

Fidel foi um dos mais importantes políticos contemporâneos e um visionário que acreditou na construção de uma sociedade fraterna e justa, sem fome nem exploração, numa América Latina unida e forte.

Um homem que soube unir ação e pensamento, mobilizando forças populares contra a exploração de seu povo. Foi também um ícone para milhões de jovens em todo o mundo.

Meus mais profundos sentimentos à família Castro, aos filhos e netos de Fidel, ao seu irmão Raul e ao povo cubano. Minha solidariedade e carinho neste momento de dor e despedida.

Hasta siempre, Fidel!
Dilma Rousseff

'Hay hombres que luchan un dia y son buenos;
Hay otros que luchan un año y son mejores;
Hay quienes luchan muchos años y son muy buenos;
Pero hay los que luchan toda la vida,
Esos son los imprescindibles'.

Bertold Brecht"