Fome cresce na América Latina a níveis "assustadores", diz FAO

Organização observou aumento nos últimos cinco anos, mas defende que cenário foi severamente agravado pela covid-19

Fome atingiu mais de 47 milhões na América Latina em 2019

Fome atingiu mais de 47 milhões na América Latina em 2019

Freepik

A América Latina registrou nos últimos cinco anos um aumento da fome que pode afetar cerca de 9,5% de sua população em 2030, cenário esse que foi severamente agravado pela covid-19, disse nesta segunda-feira (13) a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura).

Apesar de ter capacidade mais que suficiente para abastecer sua população com alimentos, a fome atingiu cerca de 47,7 milhões de pessoas na América Latina e no Caribe em 2019, ou 7,4% dos habitantes, segundo o relatório publicado em conjunto com outras agências da ONU.

Leia também: Preço dos alimentos sobe três vezes mais do que inflação em um ano

"Estamos indo há cinco anos na direção contrária. Isso se deve em primeiro lugar a um crescimento econômico fraco (...) e ao problema da desigualdade estrutural em nossa região", disse Julio Berdegué, representante regional da FAO para a América Latina, em entrevista onde classificou os dados de fome como "assustadores".

A região --onde a insegurança alimentar registrou o aumento mais rápido do mundo-- não somente chegará em 2030 longe de cumprir sua meta de fome zero, como também o número de pessoas incapazes de consumir as calorias necessárias para uma vida saudável aumentará para 67 milhões, cerca de 20 milhões a mais que em 2019.

O relatório sobre o estado da segurança alimentar e nutricional no mundo 2020 (Sofi, na sigla em inglês) foi elaborado antes da pandemia de coronavírus atingir com força a região, que já vinha demonstrando um desempenho econômico fraco nos últimos cinco anos, com um crescimento de 0,4% no período entre 2014 e 2019, o menor desde a década de 1950.

A Cepal estima que o coronavírus provocará uma recessão histórica na América Latina e no Caribe em 2020, o que levará à pior crise social da região em décadas, com milhões de novos pobres e desempregados.