França acena com reabertura de varejo, menos bares, em 11 de maio

Governo está preparando plano para evitar uma segunda onda de infecções pelo novo coronavírus, mas quer que varejistas reabram seus negócios

Macron visita supermercado para avaliar situação do setor alimentício

Macron visita supermercado para avaliar situação do setor alimentício

Stephane Mare / Pool via EFE-EPA - 22.4.2020

A França ofereceu alguma esperança aos varejistas do país nesta quinta-feira (23), dizendo que deseja que reabram quando um isolamento nacional terminar no dia 11 de maio, mas algumas restrições podem continuar em vigor para adiar uma segunda onda de coronavírus.

O governo descartou a reabertura de restaurantes, bares e cafés logo depois de o isolamento ser suspenso, e o ministro das Finanças, Bruno Le Maire, indicou que as restrições provavelmente serão mantidas nas regiões mais atingidas pelo vírus.

"Queremos que todos os varejistas consigam reabrir em 11 de maio da mesma maneira por uma questão de justiça", disse Le Maire à rádio France Info, mas ressaltando que primeiro será preciso estabelecer protocolos para proteger tanto clientes como trabalhadores.

Restrições seguirão após 11 de maio

A França computa mais de 20 mil mortes do coronavírus, o quarto maior número do mundo, e mais de 158 mil infecções.

O presidente Emmanuel Macron ordenou o isolamento em meados de março para frear a disseminação do vírus, mas o governo vem trabalhando em um plano que minimizaria as chances de o país ser vitimado por uma segunda onda de casos de coronavírus quando este terminar.

O governo está sendo pressionado a reativar a economia o quanto antes, até mesmo pelo próprio partido do presidente Emmanuel Macron, mas deixou claro que as restrições a viagens entre as regiões permanecerão depois de 11 de maio.