Eleições na França - 2017
Internacional Franceses vão às urnas para definir presidente que poderá mudar a história do país

Franceses vão às urnas para definir presidente que poderá mudar a história do país

Macron se vende como uma renovação política e Le Pen com a bandeira contra a UE

Franceses vão às urnas para definir presidente que poderá mudar a história do país

Marine Le Pen e Emmanuel Macron disputam, hoje, a Presidência da França

Marine Le Pen e Emmanuel Macron disputam, hoje, a Presidência da França

REUTERS/Eric Feferberg/Pool

Marine Le Pen e Emmanuel Macron disputam neste domingo (7) o segundo turno das eleições presidências da França. De um lado, a candidata da extrema-direita, que defende a realização de um referendo para discutir a saída do país da zona do euro e da UE (União Europeia); do outro lado, o centrista que, apesar de ter tido ligações com o atual governo, conseguiu se colocar como um candidato novo e de fora do círculo tradicional da política francesa.

Um dos principais fatores que pesam negativamente para a campanha de Macron é a associação dele com o atual governo francês. O candidato é ex-ministro da Economia do presidente François Hollande, que tem sofrido com baixos índices de popularidade desde que assumiu o cargo, em 2012, diz Paulo Pereira, professor de relações internacionais da PUC/SP.

— Macron tem tentado fortemente se desassociar do governo Hollande porque isso pode prejudicar sua campanha. O povo francês está insatisfeito com o atual governo e não vai votar em alguém que se mostre como uma continuidade disso. Por outro lado, a favor de Macron está o fator da novidade, ele está sendo visto mais como uma alternativa do que como uma continuidade de governo.

O candidato nunca havia tentado uma eleição antes e lançou o próprio partido, o En Marche!, no ano passado. Além disso, Macro leva vantagem por ser um candidato mais centrista, explica Demétrius Pereira, professor de Política Europeia das Faculdades Integradas Rio Branco.

— O eleitorado francês não é muito aberto aos extremos. Os governos, até hoje, foram mais para direita ou mais para a esquerda, porém próximos do centro. Então, parece que não há uma aproximação assim tão grande com a Le Pen. Também há o fato de ela ter sofrido mais ataques dos outros candidatos e ter passado um pouco para a defensiva. Então, ficou meio que todo mundo contra ela. Talvez o sucesso desses ataques acabou derrubando ela um pouco nas pesquisas também.

Macron vence último debate presidencial na França

Le Pen anuncia saída do comando da Frente Nacional

Já Le Pen tem ao seu lado os votos de eleitores que, assim como ela, acreditam que a UE seja culpada por muitos dos problemas enfrentados pela França hoje. A candidata fez campanha com promessas nacionalistas, como a de defender os franceses do fundamentalismo islâmico e da globalização desregulamentada, e de iniciar os processos para tirar a França do bloco. Além disso, Le Pen diz que limitará drasticamente a imigração, expulsará todos os imigrantes ilegais e preservará certos direitos atualmente concedidos a todos os residentes, incluindo a educação gratuita, apenas a cidadãos franceses.

Se eleita, além de mudar a história fracesa, Le Pen pode agravar ainda mais a situação da UE, que já foi enfraquecida com o Brexit (como ficou conhecida a saída do Reino Unido do bloco), afirma a professora Denilde Holzhacker, do curso de relações internacionais da ESPM.

— A Europa sempre tem esses momentos de questionamento em relação à integração e, com o Brexit, as forças de direita ganharam mais força interna. A questão da crise econômica ainda pressiona muitos países e a população começa também a questionar o quanto a política imigratória da UE não atrai mais esses imigrantes. Mas essa contestação não é novidade, o enfraquecimento da UE vem vindo desde 2008, e só vai mudando de cara. Começou com a crise do euro, passou pela situação super precária da Grécia e, agora, tem a crise dos refugiados impulsionando essa extrema direita. A UE como bloco, não consegue dar resposta para isso, ela ainda fica um pouco em uma discussão filosófica. No momento, eles parecem querer resolver, reafirmando esses princípios europeus, mas, para sobreviver, a UE tem que se flexibilizar e afrouxar um pouco os parâmetros da integração.

A França é uma República Parlamentarista, ou seja, tem um presidente e um primeiro-ministro. Além das eleições presidenciais, a França também terá eleições parlamentares este ano, em 11 e 18 de junho. O novo premiê do país será nomeado, pelo presidente, dentre os membros do Parlamento, diz Pereira.

— É uma forma de governo bastante única, que chamamos de semipresidencialismo. O presidente tem mais poderes do que o premiê, por isso mesmo essa eleição presidencial é tão importante. A vantagem desse sistema é que o presidente é chefe de Estado e o primeiro-ministro é chefe de governo, então eles dividem o Poder Executivo.

Uma pesquisa do instituto Cevipof publicada no site do jornal Le Monde desta quarta-feira (3) mostrou que Macron teria 59% dos votos e Le Pen 41%, resultado semelhante ao de pesquisas dos últimos dias.