Funcionários da Disney são presos por pornografia infantil

Operação especial prendeu 17 homens, dois sendo funcionários dos parques temáticos de Orlando. 'Se aproveitam dos mais inocentes'

Um dos presos tinha cargo de chefia na Disney

Um dos presos tinha cargo de chefia na Disney

Reprodução/Pixabay

Uma operação secreta realizada, nesta sexta-feira (8), levou 17 homens para a cadeia devido a crimes de exploração sexual infantil, incluindo dois funcionários do complexo de parques de Walt Disney World, em Orlando, no estado americano da Flórida.

"Essas pessoas possuíam e compartilhavam pornografia infantil e se aproveitam dos mais inocentes e vulneráveis entre nós: nossas crianças", disse o Xerife do Condado de Polk, na Flórida Central, Grady Judd.

Os agora ex-funcionários do complexo de parques temáticos são Brett Kinney e Donald Durr, que enfrentam respectivamente 24 e oito acusações por posse de pornografia infantil, segundo Judd.

Kinney, de 40 anos, trabalhou no departamento de entretenimento de Walt Disney World durante os últimos 15 anos e recentemente teve um cargo de chefia. Ele já havia sido preso duas vezes e afirmou aos investigadores que era viciado nesse tipo de pornografia e que vinha se tratando por mais de 20 anos.

Durr, de 52, trabalhou por 20 anos no departamento de manutenção dos parques, descreveu-se como "pervertido, mas não um monstro".

"A internet deixou muito mais fácil para os predadores sexuais se aproveitarem das crianças porque agora podem ter acesso a sites de jogos virtuais, redes sociais e fingirem ser pessoas que não são", lamentou o xerife.

O Gabinete do Xerife observou que alguns dos homens tinham entrado em contado com garotos e pedido fotografias sexuais explícitas. Judd disse que os investigadores que trabalham nestes casos passam por aconselhamento obrigatório depois de verem "coisas que ninguém deveria ter de ver, e nenhuma criança deveria ter de experimentar".

O xerife também relatou a prisão de 14 outros ex-condenados por crimes sexuais que não estão registrados como tal, conforme mandado pela lei da Flórida.