Crise na Venezuela
Internacional Governantes americanos reconhecem Guaidó na Venezuela

Governantes americanos reconhecem Guaidó na Venezuela

Líderes dos EUA, Brasil, Peru, Colômbia e Paraguai foram os primeiros a reconhecer o governo do líder do Parlamento do país

líderes globais reconhecem Juan Guaidó como presidente

Guaidó se declarou presidente interino do país em manifestação em Caracas

Guaidó se declarou presidente interino do país em manifestação em Caracas

Reuters/Carlos Garcia Rawlins - 23.01.2019

Governantes reconheceram nesta quarta-feira Juan Guaidó como presidente interino do país, após o líder do parlamento fazer o juramento do cargo durante um protesto em Caracas.

O primeiro a reconhecer foi o presidente dos Estdos Unidos Donald Trump, através da conta do Twitter da Casa Branca.

Mais tarde, em sua conta, ele afirmou que continuará "usando todo o peso da economia dos Estados Unidos e o poder da diplomacia para pressionar a restauração da democracia venezuelana".

Também pelo Twitter, o presidente Jair Bolsonaro também declarou apoio ao governante.

"O Brasil apoiará a política e  economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social volte a Venezuela."

Os presidentes da Colômbia, Peru, Equador e Costa Rica fizeram anúncio semelhante no Fórum Econômico de Davos, na Suíça.

LEIA TAMBÉM

Quem é Juan Guaidó, líder oposicionista apontado como presidente do país

Toda a cobertura da Crise da Venezuela

A divulgação foi feita após uma reunião na qual participaram o presidente Jair Bolsonaro e seus homólogos da Colômbia, Iván Duque; da Costa Rica, Carlos Alvarado; e do Equador, Lenín Moreno, além da vice-presidente do Peru, Mercedes Aráoz.

Duque, que foi o primeiro a tomar a palavra diante de um reduzido grupo de jornalistas, disse que o seu país "reconhece Juan Guaidó como presidente da Venezuela e acompanha este processo de transição para a democracia para que o povo venezuelano se liberte da ditadura".

Já Mario Abdo, presidente do Paraguai, afirmou no Twitter que o povo venezuelano pode "contar conosco para abraçar de novo a liberdade e a democracia" no país.

O presidente argentino Mauricio Macri também usou a rede social para expressar seu apoio ao que ele classificou como "reconstrução da democracia venezuelana".

Segundo informações da Reuters, um funcionário do governo que pediu anonimato afirmou que o Canadá também deve reconhecer o líder do Parlamento como presidente do país.

O governo mexicano até o momento é o único da América Latina que reiterou sua posição de afirmar que continua reconhecendo Nicolás Maduro como presidente do país.

Jesús Ramírez Cuevas, porta-voz do governo, disse à agência EFE que "não há mudanças de postura, e isto implica em que o México segue reconhecendo Nicolás Maduro como presidente. Ele é o presidente democraticamente eleito".

Organizações internacionais

O presidente da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, apoiou e felicitou Juan Guaidó após ele se declarar presidente. Segundo Almagro, Guaidó "tem todo o nosso reconhecimento para impulsionar o país no retorno à democrácia".

A ONU fez uma declaração mais contida, e disse que está acompanhando o desenvolvimento da crise e "deseja que todas as partes interessadas se comprometam com negociações inclusivas para enfrentar os desafios do país.

Declaração

Juan Guaidó, presidente do Parlamento venezuelano, se declarou presidente nesta quarta-feira (23) com um juramento sobre a Constituição durante manifestações de opositores do governo em Caracas, na Venezuela.

"Sabemos que isso terá consequências, sabemos o que é necessário para nos manter nas ruas da Venezuela até conseguir a democracia. Não vamos permitir que desinfle este grande movimento de esperança e força nacional", afirmou.

"Vamos insistir até a democracia, até a liberdade, até que cada venezuelano tenha pão na mesa, até que retornem a água e o gás às casas da Venezuela, até que nossos filhos voltem ao território nacional, até que consigamos definitivamente a prosperidade", discursou.

Venezuela: chavistas e opositores vão às ruas por crise de Maduro