Coronavírus

Internacional Governo da Sicília vai dar 3 mil euros para noivos se casarem na ilha

Governo da Sicília vai dar 3 mil euros para noivos se casarem na ilha

Programa de estímulo e fomento do turismo na região quer alavancar também setor ligado a casamentos, que foi muito afetado na pandemia

Noivos se casam na Espanha após a reabertura da economia no país

Noivos se casam na Espanha após a reabertura da economia no país

Fernando Villar/ EFE/ 06.06.2020

O governo da Sicília, no sul da Itália, aprovou um programa que distribuirá até 3 mil euros (aproximadamente R$ 18 mil) para pessoas que se casarem na ilha. O objetivo é incentivar o turismo nupcial e impulsionar o faturamento das empresas do setor de casamentos, duramente afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

A iniciativa valerá até julho de 2021 e prevê a destinação de um valor total de 3,5 milhões de euros (cerca de R$ 21 milhões), o que pode beneficiar cerca de 1,1 mil casais. 

"Estima-se que nossa contribuição conseguirá gerar um faturamento total de cerca de 40 ou 50 milhões de euros", disse o secretário siciliano de Economia, Gaetano Armao.

O auxílio de 3 mil euros valerá para casamentos civis ou religiosos celebrados na Sicília, uma das regiões mais cobiçadas por turistas na Itália devido a suas belas praias, às cidades históricas e a uma paisagem natural dominada pelo Monte Etna.

Os critérios para obter o benefício serão definidos em decretos posteriores do governo regional. As autoridades sicilianas ainda não explicaram se o programa valerá também para turistas estrangeiros.

Turismo nupcial

"Segundo dados recentes, cerca de 70 mil casamentos foram cancelados na Itália devido à epidemia. O objetivo é dar um incentivo concreto e imediato às empresas do setor e aos casais de noivos", ressaltou o secretário de Família da Sicília, Antonio Scavone.

A ilha já tem uma longa tradição de turismo nupcial, iniciada aproximadamente 25 anos atrás quando um casal de suecos celebrou seu matrimônio em Corleone, berço do mais famoso clã da Cosa Nostra.

Em seguida, a cidade começou a atrair cada vez mais casais do norte da Europa, especialmente da Dinamarca, país que inclusive passou a dar nome a uma praça no vilarejo.

Últimas